A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 4

Click to this video!



CONTOS PICANTES GAY
A INICIAÇÃO DE TONHO 4


Na mesma hora em que tio e sobrinho postiços se lavaram e voltavam à sala para refazer as forças, Alberto, o padrasto de Tonho, expulso pela mulher do quarto porque as inesperadas regras tinham vindo, resolveu tomar um copo de leite e, ao passar pela mesa da sala, viu o bilhete do enteado, explicando que estava na casa do tio Euzébio. Ao ver o nome do velho lavrador seu vizinho, Alberto lembrou que tinha um compromisso com o ele, mas esquecera completamente e fora até dormir mais cedo. Desde que se casara com Augusta, selara uma grande amizade com o vizinho lavrador, um homem de bem e de companhia agradável, o único amigo que Augusta “aprovava”. Naquela tarde mesmo, ao passar por sua casa, o lavrador tinha reiterado o convite. Certamente encontraria lá seu enteado, também.

Olhou o relógio da sala, ainda eram nove e meia da noite e ficou se perguntando se deveria passar na casa de Euzébio. Mais uma vez ouviu o ronco de sua mulher. Foi o que bastou. Para não fazer barulho no quarto, pegou no banheiro a bermuda larga, a cueca e a camiseta atrás da porta do banheiro; na varanda, achou sua havaiana e se vestiu. Antes de sair do banheiro, deu uma última olhada no espelho. Alberto era um homem bonito aos 45 anos. Filho de espanhóis, tinha a pele clara, ligeiramente peludo nas pernas e no tórax, era alto, forte sem ser musculoso demais, olhos verdes, cabelos negros e um farto bigode. Pegou seu celular, no caso de Augusta querer localizá-lo, mas acrescentou a lápis no bilhete de Tonho que ele também estava na casa do vizinho, para que a mulher não se assustasse.

Quando viu a sala acesa de Euzébio, Alberto foi logo batendo palmas e chamando seu nome. Ao se aproximar da janela grande, viu que o amigo estava completamente relaxado sentado na sua cadeira favorita. — Opa, seja bem-vindo, doutor Alberto. Vamos entrando... — disse o dono da casa. — O lavrador, apesar dos protestos de Alberto, chamava-o sempre de doutor, embora soubesse que ele era apenas um vendedor autônomo.

— Boas, meu amigo Euzébio, quase esqueci da nossa prosa de hoje. Cheguei a deitar mais cedo, mas a patroa hoje está naqueles dias e me colocou pra fora do quarto — disse sorrindo Alberto, sendo acompanhado pelo lavrador. Estavam sentados lado a lado, Alberto na poltrona e Euzébio no sofá de dois lugares, entre eles a mesinha com os comes e bebes e seu fumo de rolo. — Você é que é feliz, meu amigo... Tem sempre sua mulher lhe esperando, enquanto eu vivo sozinho. Mas hoje estou feliz, conheci uma mulherzinha novinha, muito gostosa... — falou o negão cheio de malícia, lembrando da meia pirocada em Tonho, uma foda pela metade, mas que tinha valido a pena. Alberto, que sabia da fama de caralhudo de Euzébio, sempre quis perguntar sobre aquele tema, mas tinha vergonha.

— Mulherzinha nova, Euzébio? Boas falas... Por isso está assim tão relaxado hoje — brincou o vendedor. — E ainda reclama que não tem ninguém? Isso mesmo, amigo, não pode perder oportunidades... Pode contar como foi?...

O velho lavrador, sorrindo, mentiu dizendo que era uma mulher que tinha conhecido na véspera, mas na verdade relatou como tinha comido o sobrinho, enteado do visitante, momentos antes. Alberto sentiu que se pau se enchia de sangue, mas também o relato tinha sido totalmente erótico e chegou a sentir inveja do vizinho. Brincaram muito sobre o assunto, mas acabaram mudando de assunto. — Pensei em encontrar o Tonho por aqui, ele deixou um bilhete dizendo que estaria em sua companhia... — disse o padrasto.

— Ah, sim, o menino esteve por aqui sim, mas mandei ele voltar para a casa, porque a amiga Augusta estranharia a ausência dele — mentiu de novo o negão. — Felizmente o Tonho hoje resolveu dar um passeio até a vendinha. Esse menino precisa sair da barra da saia da mãe — recriminou o tio postiço. — Também acho, Euzébio, tá mais que na hora... — concordou o padrasto.

— Peço-lhe, porém, doutor, que não conte nada sobre a escapada dele à Augusta....

Alberto garantiu que seria um segredo. Depois de enrabar o garoto, Euzébio tinha vestido uma calça de moletom velha e não usava camisa em razão do forte calor. Quando se levantou para urinar, Alberto percebeu em cima da mesinha quatro caixas de DVD empilhadas, sendo que o de cima era claramente um pornô. Nunca tinha pensado em Euzébio sobre aquele prisma, mas ele próprio adorava um vídeo de putaria, embora em sua casa a mulher não permitisse esse tipo de coisa. Mas na sede da empresa, onde tinha seu próprio computador, sempre assistia a vídeos eróticos e até tinha baixado vários para seu prazer. — Quer dizer que meu amigo também gosta de um vídeo picante? — perguntou quando o dono da casa voltou.

— Ah, meu caro, gosto muito. Trago sempre pelos menos uns quatro por semana, para combater a solidão — riu o negão, sendo acompanhado pelo visitante. — Também gosta de um pornô, doutor?

— Nossa, amigo, gosto e gosto demais... Mas só posso ver no trabalho...

— Eu fiz uma boa economia e comprei esse aparelho e agora alugo os filmes quando vou à cidade. Estou velho e essa é uma das minhas distrações — explicou. — Se quiser, podemos ver um deles...

Era o mesmo que perguntar se macaco queria banana. Alberto topou na hora e o dono da casa ligou o aparelho, colocando o primeiro DVD. Estava feliz por ter um parceiro para comentar os filmes e rapidamente serviu os dois com nova rodada de caninha; fizeram um brinde rápido, esvaziando os copos de uma só vez. Euzébio chegou a sentir o pau dar sinal de vida, com a expectativa de ver os novos filmes e, antes que o “moço” chegasse ao seu tamanho máximo, procurou o almofadão e colocou no colo para evitar constrangimento a sua visita.

Logo na primeira cena, um negão como ele, caralhudo, deitado numa cama de cenário de hospital estava atracado com uma loira escultural vestida de enfermeira e a dupla caiu na putaria por uns 20 minutos. Os dois espectadores comentavam cada posição, cada reação da mulher, do homem e o clima de excitação tomava conta da sala. Quarenta minutos depois de muitas cenas variadas de sexo selvagem, o pornô chegou ao fim e Euzébio avisou que ia novamente ao banheiro mijar.

Aproveitou a ausência do amigo, Alberto deu uma ajeitada no pau e ficou na expectativa pelo próximo pornô. Quando voltou à sala, o pau de Euzébio tinha armado o moletom, como se fosse a lona de um circo. Alberto viu a cena e ficou de boca aberta. “Então era verdade o que diziam. Euzébio tinha um caralho imenso entre as pernas”. Meio sem graça, o negão pediu desculpas pelo seu estado e, colocando outro DVD, voltou a se sentar. — Fica frio, amigo Euzébio, estamos só nos dois, se quiser ficar mais à vontade, por mim não tem problema — disse o vendedor.

— E o doutor também, se quiser, não faça cerimônia...

O lavrador não se fez de rogado e tirou o moletom, atirando a peça para dentro do seu quarto. Alberto estava abismado com o tamanho do pau do amigo. Tinha mesmo 30cm como diziam e era muito grosso. — Puta que pariu, Euzébio. Tua pica é imensa, homem... — disse o vendedor.

— Atrapalha mais que ajuda, amigo, mas tenho que me conformar. Olha só essa morena do segundo filme...— disse o negão dirigindo o olhar para a tela, punhetando a cabeça do pau, que já estava encharcada de líquido pré-gozo.

Alberto simplesmente estava impressionado com o tamanho da jeba do outro e até esqueceu o filme, encarando o caralho do negão ao seu lado. Mas como também estava excitado, aceitou a sugestão do dono da casa, jogou longe as havaianas, tirou a bermuda toda junto com a cueca e a camiseta depois, encostando as suas roupas numa cadeira da sala. Euzébio pôde ver o amigo completamente nu e registrou que Alberto tinha uma bunda descomunal, que não se vê normalmente em homens. A lembrança da putaria com o enteado do visitante, fez com que sentisse ainda mais tesão. Naquele dia, pela primeira vez tinha transado com homem, mas no íntimo havia curtido muito. O negão acelerou a punheta na sua jeba preta, voltando a se concentrar no filme. O vendedor estava super excitado e seu pau que era pequeno, mínimo mesmo em comparação com o do lavrador, estava duro. Por duas vezes, observou que o caralho de Euzébio praticamente tinha batido em seu queixo, de tão grande que era. Alberto teve uma ideia maluca e resolveu arriscar. — Aposto que o amigo consegue chupar o próprio pau... consegue?

O velho lavrador olhou profundamente o padrasto de Tonho e, sem dizer uma só palavra, levou a cabeça do pau à boca. — Puta merda, Euzébio, o que é isso!!!!!! — exclamou o vendedor, que só tinha visto uma cena igual na internet. Punhetando furiosamente o seu membro, Alberto instintivamente puxou sua poltrona e ficou quase de frente para o sofá onde o dono da casa estava, mas sem atrapalhar a visão dele do filme pornô. Mesmo praticamente de costas para o filme, o vendedor queria mesmo era acompanhar aquela cena mais que erótica e resolveu incentivar o self-sucker. — Puta merda, negão, que talento você tem. Isso enterra mais na boca, você consegue.

Desde que tinha transado com o jovem Tonho, sem entender bem o porquê, Euzébio tinha gostado de ser observado, de ouvir o comentários sobre as dimensões de seu pau. Era um exibicionista. De rabo de olho, acompanhava Alberto vendo sua chupada no próprio pau, alternando a visão para as cenas eróticas do DVD. Ficou assim vários minutos, adorando cada um deles. Magro sem ser muito musculoso, o velho lavrador era um contorcionista. Já estava conseguindo engolir mais que a metade do pau e se esforçava ainda mais a cada incentivo do vizinho. — Isso, coroa, mama esse caralho. Agora abre bem as pernas, chega o corpo mais pra frente e puxa as pernas pra cima, segurando por trás dos joelhos. Alberto tinha visto um self-sucker fazer isso num filme e lembrou da posição.

Euzébio fez o que ele pediu e, realmente, conseguiu mamar mais alguns centímetros da sua própria jeba. Vivendo e aprendendo. O negão parecia na posição de frango assado, a olhota do cu escancarada, e boca travada no caralhão.... Estava gostando muito de ter uma testemunha naquele ato que, até hoje, era só seu, quando mamava o próprio pau em momentos de solidão. — Isso, mama, coroa... Bate uma punheta com a boca no teu pau e vai mais fundo que puder....

O lavrador obedecia e cada vez atingia mais fundo, sentido a cabeça do seu pau quase chegar a sua garganta. — Espera, vou te ajudar, Euzébio... — O vendedor se levantou e, ainda se masturbando, pousou a mão na nuca do negão empurrando sua cabeça para baixo, aumentando ainda mais a pressão para que ele engolisse mais e mais. Minutos depois, Euzébio tirou o pau da boca. — Assim, vou gozar, doutor...

— Não goza ainda não, porra... Quero gozar junto contigo... Vai chupando a cabeça... Passa a língua no líquido e bebe....

Num gesto ousado, Alberto passou a mão de leve na base do saco do negão, acariciando seu rego exposto. Euzébio suspirou e continuou mamando o próprio pau. Nunca nenhum homem tinha tocado naquela parte do seu corpo, mas tinha gostado. — Toca punheta no meu pau, doutor, e aí eu gozo... To quase... — implorou o velho lavrador tirando rapidamente seu próprio pau da boca para falar. Alberto ficou maluco com aquela cena que estava vivendo. Ajoelhando, chegou mais perto e com uma das mãos esforçou-se para punhetar o amigo, que adorou a mão grande do vendedor, que quase conseguia abraçar seu caralho. Com a outra mão, empurrava a cabeça do velho para baixo obrigando-o a engolir ainda mais sua trolha. Alberto também nunca tinha feito nada com homens, mas estava excitadíssimo... — Goza tudo na boca, amigo, minha porra tá na porta também... — disse com luxúria o marido de Augusta.

Euzébio, que agora só tinha olhos para o amigo vizinho, pensou no rabão do vendedor, e, tirando seu pau da boca, continuou mirando a cabeça naquela direção. Alberto compreendeu que a porra ia invadir a boca do negão e tirou a mão que estava sobre sua cabeça e levou-a ao seu pau. O primeiro jato encheu a boca do lavrador e, naquele momento, Alberto dobrou o corpo um pouco para trás, o que fez seu pau levantar e acabou soltando seu leite, que bateu direto na olhota do cu do coroa em vários jatos. Ao sentir a porra quente atingir seu cu, que piscou de reflexo ou tesão. Euzébio pousou sua mão forte sobre a mão do vendedor que continuava abraçando seu pau, e gozou muitos outros jatos de porra, engolindo tudo, sem perder uma só gota.

Os dois caíram para trás. Alberto no chão e Euzébio no encosto do sofá, enquanto o segundo filme erótico ainda enchia a sala de gemidos e sexo. — Nossa, Euzébio, que loucura... Nunca gozei tanto assim na vida...

— Eu também, doutor... Nem sei o que dizer... Nunca fiz isso com um homem — mentiu o lavrador. — Estou até com vergonha do amigo vizinho..

— Nada disso, amigo — cortou o vendedor. — Também nunca tinha feito isso com outro homem, mas esse segredo pode ficar entre nós dois, certo?

— Claro, doutor, por mim tá combinado, doutor. Segredo nosso... Quando quiser ver outro filminho comigo, é só aparecer...

— Quero sim. Amanhã venho aqui para vermos os outros filmes, ok? — disse o vizinho, piscando o olho, com cara de quem já imaginava outra safadeza. — Mas agora tenho que ir antes que a patroa fique brava.

Alberto entrou no banheiro, se limpou e depois se despediu do lavrador, que também tinha vestido o moletom para levar o vizinho até a porta.


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario luispant

luispant Comentou em 21/11/2016

Cada vez que sai um capítulo é uma surpresa na certa.... Tá ótimo, continua na linha da putaria...sem dramas e choros de homens agindo feito mulherzinha frustrada e problemática.

foto perfil usuario garotosapeka

garotosapeka Comentou em 21/11/2016

Nossa, que família safada!




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


92078 - A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 1 - Categoria: Gays - Votos: 18
92147 - A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 2 - Categoria: Gays - Votos: 17
92195 - A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 3 - Categoria: Gays - Votos: 10
92366 - A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 5 - Categoria: Gays - Votos: 8
92542 - A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 6 FINAL - Categoria: Gays - Votos: 10
92624 - O ARMÁRIO - Categoria: Gays - Votos: 8
92996 - A CASA DA PRAIA PARTE 1 - Categoria: Gays - Votos: 5
94582 - A CASA DA PRAIA PARTE 2 - Categoria: Gays - Votos: 2

Ficha do conto

Foto Perfil putariaboa
putariaboa

Nome do conto:
A INICIAÇÃO DE TONHO PARTE 4

Codigo do conto:
92223

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
20/11/2016

Quant.de Votos:
8

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


conto erotico gay jeferson o menino gatinhocontos eroticos o dia em que perdi minha virgindade com minha titiahistória em quadrinhos minhas capturadas e Abusadas parte 2fotos de gay novinhos todos juntosdando o cuCorno conto saradoincestoPorno contos gostosas orgias de incesto familhares iniciando as bem novinhascontos de sexo bar stripteaseguadinho tarado ponocontos eroticos sala de esperajatos fortes de porra no fundo da minha bucetaporn amador pau 22 cmvídeo erótico com açougueiro bombadocontos erotico mãe com absorvente grande dormindovideos menina dando cu virge grita manda tira tira aiiiii meu cuuuu porraconto erotico corno patraocontos erotico em sarandi prcizgi porno anne ogularpaisexConto erotico bernardo e manuelaconto erótico senta no colo do vovôvídeos porno de corno minha esposa saindo da cabine erótica com o rosto todo gosado e se exibindo na ruacontos eroticomeu padrasto me cumeu na casa de praia na praia entiadacontos eroticos coletania traiçaogemendo na pica grande do namorado da minha amiga, aiii...me come se caralhudo mete tudo na minha buceta. conto eróticoconto eu rotico eu rotico fui pasia acabei me perdendo e fui estrupadaconto erotico maninha funkeiraminha namorada e putinha demaisvirei femeaporno encoxada na balada sentindo pau na mao e ela gostaconto erotico gay o garanhao bombeiroConto erotico gay o amigo do meu pai14 cm dentro conto heteropornocontoincesocontos peguei a teepada marido filha aguado comedo aitiadaMinha mulher gostosa e seus vestidinhos curtinhos no barContos enfiano coiza grossa no curaffa_ka instagram contos eroticosconto sarro entre heterocontos eroticos de patricinhas trasando na praiaContos eroticos trio de travestisporno filho Engravidar mae dormidoconto liberando a noivaconto erótico ninfomaníaca metendo muitoengravidando no incestofiquei sozinha na casa do titio e provoquei ele sem calcinha pornopunheteirahentalcontos eroticos viagem inesquecívelcontos de estrupo com entregador de águadei minha esposa p meu amigo viuvo carente conto eroticobanda desenha erotica fotoscontos sexo anal concunhado concunhadaxvidio animadocontos eróticos se virando com a pica do irmaoninfetinha conto eroticocontos minha tia viuva sua amiguinhaconto gay eu e meu irmao demos o cupica entrou ate o talo gaynegão pelado da Biquinhacinthia lamarckconto minha tia tímidahq pornô gay com o professor de violãosexo fudeContos comendo a vizinha casada barraqueirasogra metendo com genro e a nora olhandovelho oobrigando menina a bater punhetaconto erotico meu marido me comeu do lado do meu filho dormindocontos eróticos botei o pau na buceta de minha filha de sete anosconto erotico ninaquadrinhos eroticos meu sogro me comeumulher encocha pelo vizinho no ônibus em conto eróticoContos eroticos minha mulher traz porra para mimMinha colega era virgem na casa de praia conto eroticobuceta da minha tiaContos e fotos de maes com a buceta gozadacontos eroticos toda puta tem que da o cu na marra sua cadelaconto erotico gay viadinho na academiacontos ero viagemhq porno do jasmanMeu sobrinho me encoxou de saia curta na pia. Com fotos.