defloraçao complicada

Click to this video!


Até parece o meu descabaçamento. Sexualmente falando, eu era uma mocinha recata e pouco experiente, no entanto desejava, há um bom tempo, perder a virgindade. O tempo ia passando e faltava a oportunidade, mas quando aconteceu foi cheio de emoções que me lembro com se fosse hoje. Estava querendo muito, era um desejo antigo, queria me tornar uma mulher, queria ser sexualmente ativa, queria sentir um pau dentro de mim. Até aqui era só alguns beijinhos e muitas siriricas, já era hora de deixar de ser virgem... As minhas amigas davam a buceta há tempo, algumas haviam inclusive casado, apenas eu ainda continuava invicta, não tinha perdido a virgindade, permanecia inteirinha, zero quilometro. Eu e meu namorado fomos dar um passeio e no anoitecer daquele dia minha virgindade foi deflorada, eu estava ansiosa, excitada. Aos 19 anos, eu dei a buceta a primeira vez, foi pro meu namorado e ele com muita dificuldade me desvirginou, inaugurando a minha xoxotinha... Foi na casa de praia dos pais dele. Nas férias de verão, entre o final do segundo grau e o início da faculdade, Achava-me velha para ser virgem, mas não havia preparado este dia, simplesmente aconteceu quando achei que deveria acontecer. Foi natural. No retorno do passeio, à tardinha nos dirigimos à casa dele. Não havia ninguém em casa. Só nós dois. O ambiente era adequado para uma moça ser desvirginada, uma casa vazia, uma cama de casal, um colchão bem fofo. Estava perfeito o momento, eu louquinha para perder a inocência, querendo dar a buceta e ele querendo me comer, então podíamos tentar à vontade... Quando chegamos lá, ele me agarrou pela cintura e me carregou para o quarto. Colocou-me na cama tirou as minhas sandálias de palhinha, foi tirando a minha calça cinza, depois a minha calcinha branca, me deixou peladinha. Ele também tirou a roupa, já estava com o pau completamente duro, enorme, roxo, grosso e cabeçudo, apontando para cima. Aí vi que ele era, realmente, bem dotado, além do pau ser comprido e grosso ele tinha um saco roxo e duas bolas grandes dentro dele e a cabeça roxa. Pensei comigo: “será que eu, uma virgem, suportarei isso tudo dentro da minha buceta.” Parecia desproporcional, um pau muito grande para aquela bucetinha. Nunca havia tentado dar a buceta antes, nunca havia ficado peladinha junto dele (nem com outro). Nunca havia deixado colocar a mão na minha buceta, nunca havia deixado chupar a minha buceta. Era uma buceta completamente virgem, lacradinha. O meu cabacinho fechava quase toda a entrada da minha buceta, não cabia nem o meu dedinho no furinho dele (eu costumava me agachar e colocar um espelhinho embaixo para ver como era a minha buceta virgem). Quando vi aquele pau enorme fiquei admirada com o tamanho e assustada, nunca tinha visto um homem pelado e nem um pau duro. Foi a primeira vez que eu vi um pau duro, antes apenas havia apalpado por cima da roupa do meu namorado. Disse pra mim mesma: “Tem que ser hoje, não saio daqui virgem.” Eu estava deitada com uma perna sobre a outro, meio envergonhada, escondendo a minha xoxotinha. Ele se aproximou, afastou as minhas pernas uma da outra, ficou de joelhos entre elas, ficou olhando para a minha bucetinha. Colocou as mãos nas minhas coxas. Eu estava ali para dar a buceta, então, fechei os olhos, puxei devagarinho, os meus joelhos para cima e para fora e abri bem, deixando a minha florzinha bem exposta e acessível para facilitar a penetração do pau dele e assim romper o meu cabaço e realizar o meu defloramento... Naquele momento senti que meu defloramento não seria fácil, porque ele tinha um pau muito grosso e cabeçudo e eu era magrinha e a minha buceta era pequena, era só uma rachinha, com alguns pentelhinhos e lábios bem pequenos, nunca havia passado a mão e nem chupada, totalmente virgem... Em seguida ele encostou a cabeça do pau na minha xoxotinha, forçou a entrada, ficou esfregando a cabeça do pau na buceta por alguns minutos, mas não conseguiu furar o meu cabaçinho... Aquilo estava me deixando impaciente. Aquele pau grosso e aquela cabeça grande eram excessivos para uma moça inexperiente e para a minha buceta pequena e virgem... Eu tinha um hímen resistente, que apesar do esforço dele, não permitiu a penetração, então eu coloquei minhas mãos nas coxas dele e o empurrei para trás... E ele tirou o pau de mim... Ele ficou apenas me olhando... Eu, então, tive que dar uma ajuda, com as minhas mãos abri bem a xaninha, puxei os lábios bem para fora e um pouco para baixo para ficar bem abertinha e facilitar a penetração e me desvirginar. Ele se aproximou novamente encostou o pau na minha buceta, esfregou a cabeça do pau na buceta e começou a me penetrar, mas a dificuldade era a mesma e para agravar a situação, ele não sabia que eu ainda era donzela, ele não me perguntou e eu também não lhe contei, ele não sabia que aquilo que estava oferecendo resistência à entrada daquele pau grande e grosso, não era apenas uma buceta pequena e apertada, era o cabacinho duma moça virgem, era o cabaço duma donzela... Eu, de vez em quando, levantava a cabeça e olhava para a minha xoxota e via aquele pau roxo e imenso tentando fazer o serviço na minha florzinha. Via aquele pau me estocando na buceta, mas não entrava, não conseguia arrombar a portinha. A cabeça do pau preenchia toda a entrada. Aquilo já estava me agoniando... No entanto ele foi forçando a entrada, estocando devagarinho e com firmeza, mas meu cabaço continuava apresentando muita resistência. Depois de ficar esfregando e estocando o pau na minha buceta por aproximadamente meia hora, e de repente, numa estocada mais forte e firme, mas com muita dificuldade o pau venceu a resistência e entrou com toda a força e acabou rompendo o meu cabacinho, rasgando-o com violência, batendo no fundo do meu ventre. Quando furou meu selinho virginal, senti uma ardência enorme na entrada da buceta (onde rasgou o cabacinho) e com a força que ele estocava, o pau dele socou no fundo. Gritei de dor, comecei a chorar convulsivamente. Meu cabaço estava definitivamente rompido, não era mais virgem! Bati com força nos ombros dele, ele parou e o empurrei para trás de novo e ele saiu fora e não continuou mais, ficou assustado com a minha reação, pois como disse, eu não havia lhe dito que eu era virgem... Ao tirar o pau da minha buceta ele viu o que havia acontecido ali, havia sangue no pau dele, ele havia deflorado uma virgem e a buceta dela estava sangrando muito. Coloquei minha mão sobre a minha buceta já deflorada, fechei as pernas, deitei de lado e apertei uma contra a outra, chorei feito uma criança, soluçava... Ele ainda ficou esfregando pau na minha buceta, por traz, mas eu estava com as pernas bem fechadas e ele não consegui introduzir o pau na minha xoxota. Senti, então, na mão algo quente escorrer da minha buceta, quando tirei a mão da buceta, vi que era só sangue, sangue do meu cabaço deflorado, era muito sangue, sangrou muito, parecia uma menstruação abundante. Vendo a minha situação, chorando e sangrando daquele jeito, então ele meio assustado, puxou o lençol branco que estava na cama, dobrou-o e colocou-o entre as minhas pernas, contra a minha buceta, para aparar o sangue que escorria do meu cabaço ali deflorado... Nem deu tempo pra ele gozar. Vi o pau dele todo coberto de sangue desde a cabeça até a base (púbis e o saco). Nem acreditei que aquele pau grande grosso e ainda duro tinha entrado todinho na minha bucetinha. Ficou acariciando os meus pentelhinhos e chupando a minha tetinha. Fiquei ali mais ou menos uma hora, chorei o tempo todo. Recompus-me e pedi para ele me levar para a minha casa... Vestimo-nos e saímos dali e jogamos o lençol num barranco à beira da estrada, pois estava todo ensanguentado. Mais tarde, ao chegar em casa, a minha buceta ardia um pouco (era na região do cabaço que havia sido deflorado) e meu baixo ventre ainda doía (era a estocada, do pau dele, que havia levado, no fundo da buceta), fui tomar banho e vi que tinha parado de sangrar, mas tinha muito sangue na minha calcinha branca. Quando lavei ardeu mais ainda, era o rasgo feito no cabaço. A minha buceta tinha aumentado de volume, estava inchada e avermelhada de tanto ele esfregar o pau, dar estocadas tentando vencer o meu cabaço. Finalmente eu tinha uma buceta de presença, estava bonita, tinha volume, gostei dela assim. Sentia-me leve, diferente, custei a dormir, fiquei pensando no ocorrido. No dia seguinte não sentia dor nenhuma, minha buceta tinha desinchado e a cor voltado ao normal, nenhum sinal visível daquilo que havia passado na noite anterior. Dias depois ele me disse que eu deveria ter dito que era virgem. Disse também que de tanto forçar o pau para entrar na minha buceta a cabeça do pau dele tinha ficado todo esfolado. Foi um desvirginamento difícil, mas eu estava feliz, ele me fez mulher, pois eu queria mesmo deixar de ser virgem. E havia deixado. Agora já era uma mulher, tinha perdido o cabacinho e sabia o que era ter um pau dentro de mim. Passados alguns dias examinei novamente a minha buceta com um espelhinho, como me referi anteriormente, o meu cabacinho fechava quase toda a entrada da minha buceta, não cabia nem o meu dedinho no furinho dele, mas agora ele estava completamente rasgado até às bordas, havia no local onde era o cabacinho apenas três pontinhas: duas menores e uma maior. Vi que uma buceta virgem é muito diferente, internamente, de uma buceta já inaugurada. Namoramos ainda alguns meses, mas não trepamos nenhuma vez depois daquela. Me desiludi com ele por outros motivos e terminei o namoro com ele. Já a segunda vez que dei a minha buceta, foi para o meu marido (na época, namorado), que também tem um pau grande e grosso, mas não tanto quanto aquele que me desvirginou. Meu marido teve muita paciência comigo. Ele, também, pensava que eu fosse virgem, pelo meu jeito, miudinha e pouco experiente, e deixou as coisas rolarem do meu jeito, muitos beijos, muitos orais (virei a boqueteira dele), até que um dia ele me comeu. Pedi para me penetrar com cuidado, e ele assim fez. Contei a ele que já havia dado a buceta uma vez, apenas uma vez, no dia em que fui desvirginada, que havia doido muito, por isso deveria ter cuidado... Então ele me comeu, penetrou devagarinho, doeu, mas não sangrou e nem chorei. Depois de muito tempo meu marido me contou que quando me comeu a primeira vez ele ainda era virgem! Ele não tirou o meu cabacinho, mas eu tirei o dele!!!
Foto 1 do Conto erotico: defloraçao complicada

Foto 2 do Conto erotico: defloraçao complicada


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario boxboxbox

boxboxbox Comentou em 22/10/2015

Um conto maravilhoso. Interessante e excitante. Votado Se puder leia o meu 1º conto. Categoria Virgens e tem o nº 57126 e o nome é "Fui GP (prostituta) durante 5 anos!"

foto perfil usuario cristina23livre

cristina23livre Comentou em 19/09/2015

gostei beijos




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


63340 - minha cunhadinha - Categoria: Traição/Corno - Votos: 10
63812 - ainda eramos virgens - Categoria: Virgens - Votos: 3
64107 - minha 1 vez - Categoria: Virgens - Votos: 6
64323 - espanhola no metrõ - Categoria: Masturbação - Votos: 2
64325 - minha irma depravada - Categoria: Incesto - Votos: 9
65659 - Virgindade,guardada - Categoria: Virgens - Votos: 2
66949 - meu maior medo - Categoria: Incesto - Votos: 15
66952 - minha tia gordinha gostoza - Categoria: Incesto - Votos: 2
66954 - desmaianda na vara do negão - Categoria: Incesto - Votos: 5
76455 - minha quase irmãnzinha - Categoria: Incesto - Votos: 3
81804 - minha primeira amiga - Categoria: Heterosexual - Votos: 3

Ficha do conto

Foto Perfil elipau
elipau

Nome do conto:
defloraçao complicada

Codigo do conto:
70931

Categoria:
Virgens

Data da Publicação:
16/09/2015

Quant.de Votos:
11

Quant.de Fotos:
2


Online porn video at mobile phone


Conto eroticos papakuporno amador novinha tendo orgasmo prolongadoconto: enrabado e mamando outroContos eroticos coroa deu o cu pro novinhoxvideos Quadrinho Horny 1Porno de irma voila irmao se pensar de problemaum sargento um corno e uma historia contos eroticoultimos contos sadocontos eroticos cunhada encinano a fazer chucaquadrínhos hentai sogro taradocontos pornor lebian incestuoso com enteadasultimos contos sadoContos erotico em quadrinhos o punheteiro da praça filhaputacontopadrasto e novinha conto eroticocontos eroticos sobrinhaConto erótico gay Cúmplices de um resgatecontos de submissao de cornos por machos alfaContos gay pau pequenomenininha sapeca contosconto erotico maemae e meu paipaiCAPITULO A17 – A primeira vez tudo é estranho...conto erotivo ci de bebada nao tem donoconto abusei da minha sobrinhaxvideo gay mecanico sendo ertrupado por patraoContos eroticos capturadas contos eróticos sobre nora bucetudaConto erotico de cavalorevista explicita contos eróticosfiumi porno adoro ver acaucinha da minha irma no varauContos eroticos de perdendo as pregas do lado da namoradaporno em quadrinho entre familiaporno corno rabudas quadrinhosvideo de corno tranca a esposa no quarto com amigo forçando ela bater punhetaporno em quadrinho traicaoconto erotico do mendigoscat a força contoconto dei o cucontos veridico de incesto irma nao aguento o mega pauzao do seu irmao no cusou casada e transei com o meu padrastofiquei com as pernas abertas enquanto ele me comia/contonao resisti enteada novinha conto eroticogozando quentinho na buceta da maninhaquatrinho porno estrupamamei o pau do amgo do marido conto eróticocontos eroticos curiosas lllconto erótico aliviei ele punhetacontos de sexo com a minha avocontos eroticos filhinho inseminando a mamae enquanto pai dorme bebadoquadrinho porno estuprocontos erotico mãe com absorvente grande dormindocontos eroticos brechei minha madrastaconto erotico meu filho novinhocontos eroticos mae trair o marido com o próprio filhocontos erotico gay na infância com amigoscontos eroticos patrao tarados por domesticascontos eróticos as jumentinhas da fazendaminha mãe filmou meu pai me comendocontos eroticos virei cadelacontos gay cheiro de picamulekerporranocuporno quadrinho freirasconversa com cunhada esquentou e ela ficou nervosa contos eróticosÇonto erotico meu primeiro cuconto erotico consolocontoos eroticos gay entre primos em quadrinhoscontos eroticos minha vizinha me chamou pra seu amantecontos doggingcontos erotico meu filho arrombo meu cuconto erotic pagei a mulher do meu amigoai como foi gostoso ser puta daquele traveco pirocudo na frente do corninhoconto erotico cara e coroaconto erotico suruba em familia