A DIVIDA- PARTE 1

Click to this video!


O meu amigo Jonas nos anos 80 sempre se prestara a fazer-me todos os favores possíveis, desde que bem pagos, evidentemente. Desde fazer pequenos arranjos de soalho, pendurar candeeiros, montar e pintar móveis, conseguir maravilhas com pinturas irrecuperáveis, desenhar programas informáticos, ele era um grande apoio e génio que eu tinha sempre como capaz de me apoiar. Mas havia uma parte em que fui eu a prestar-lhe uma ajuda que era mais delicada; nos anos 80, ele tivera uma má relação com uma gajita e as coisas complicaram-se e foram parar a tribunal e foi necessário que eu ajudasse o meu amigo Jonas no processo, com algumas mentiras para o Juiz, para a situação ficar resolvida. Não foi essa a única situação de tribunais em que eu fui testemunhar para o Jonas, outras apareceram nomeadamente a propósito de querelas com construtores e imobiliárias. Foi uma divida que sempre ficou para saldar, pois esta ajuda foi dada desinteressadamente. Passados alguns anos, o meu amigo Jonas divorciava-se em consequência das investidas da Sandra na casa dele, e acabou por casar de novo com uma mulher de 150 cm de altura, e com uns 45 kilinhos, pele branquinho de porcelana e sem pêlo algum nos bracinhos de gatita. A vida tem destas coisas e acabei por sair de Lisboa por necessidade de desenvolver a minha actividade longe da Capital. Pouco antes de sair ainda foliámos várias vezes e numa das almoçaradas confessou-me pormenores sobre a mulher, que me deixaram sempre de pau em riste; “Sabe a minha mulher é um tratado de mulher, deixa-me sempre em tesão louca; Aquele corpinho de dança erótica sem qualquer pilosidade a não ser a pilosidade púbica esboçando suavemente o seu monte de Vénus bem emoldurado com a vulva bem talhada ao sabor de um caralhão, com uns seios fenomenais, de mamilos bem empertigados e colocados na zona de visão erótica ( só olhar, um pau fica logo duro ), a sua face angelical, que se esgana com grande furor sempre que atinge um orgasmo múltiplo, chispando lume dos seus olhos castanhos, e ganindo como uma cadela, deixando escorrer os seus cabelos castanhos sobre o meu peito sem pêlo, o que é frequente acontecer quando se senta com a cona já encharcada em cima do meu caralho e se delicia a lamber-me o peito pelado e a esfregar com ganas o meu pau de 12 cm que ela adoça na sua cona fazendo-o galgar-lhe as zonas mais fatais para ela, desde o deixar bater a ponta do seu colo do útero na ponta do meu caralho, até esfregar com loucura o seu clítoris contra o dorso bem duro do meu pau; Aí ela torce-se toda, estica os seus braços espalmando as mãos no meu peito, estica bem a cabeça e estende os seus cabelos sobre as suas costas, fazendo firmeza nos lábios, rangendo bem os dentes e endurecendo todo o seu corpo que saltita sobre o meu em movimentos de esfreganço louco; uma humidade cobre-lhe a barriga e os peitos, que ficam encolhidos de tesão com as pontas espetadas em botão duro que repuxa bem toda a sua auréola que escurece, é o momento em que ela entra em transe; a sua leveza é mecânica e dota-a da facilidade de ser agarrada em qualquer posição e ser atacada a toda a força sem qualquer dificuldade provocada por peso excessivo, é um brinquedinho nas minhas mãos que a levam até onde a forças da tesão quiser, e tornando a violência do momento de um gozo único; Nestas fases de delírio orgástico ela gosta de experimentar todas as posições ( clássica, francesa, de 4 patas, os dois em pé com ela sentada sobre o meu caralhito e com as pernas enroladas no meu traseiro, esfregando-se a toda a força contra mim, mordendo os meus ombros), e acabando quase sempre esmurrando-me as costas, depois de mais 3-4 orgasmos na posição clássica; a rapariga sabe do tema e gosta de fazer os seus joguinhos apimentados; um dia ainda te contarei aventuras que ela mantém com o irmão dela”, fiquei deveras impressionado com a pormenorizada descrição que o meu amigo fez da sua mulher, e ainda balbuciei “É pá a tua mulher é um tesouro raro, não a percas!”, mas fiquei sempre remoído nos meus circuitos de pensamento e por vezes ocorria-me esta descrição pormenorizada do Jonas feita com o cérebro toldado pela força do copo do bom vinho e bagaceira que já havia digerido.
Pois não é que o meu amigo Jonas após anos de silencio um dia me toca no telemóvel e me pergunta pela vida. Já há alguns anos que lhe tentava ligar, mas o seu móvel estava desligado e por fim acabei por perder o numero; Pois nesse ano da Graça o meu amigo, despeja toda a conversa e pergunta-me como é que eu ia. “Bom amigo vou bem, mas já estou fora!! neste momento já não estou em Lisboa; estou na província, mas um destes dias vamos encontrar-nos e matar uma barrigada de refeição à boa antiga maneira”; que era o habitual nos outros velhos tempos após um dia ou tarde de trabalhos; já há anos que não o via; a ultima fora em casa dele, para ajudar a colocar uns apliques de candeeiro sobre a cabeceira da cama e fazer as respectivas ligações. Coisa pouco complicada, mas difícil para ele que de electricidade nada percebia e eu que não era o meu serviço, percebia algo que bastava para resolver muita embrulhadela; na altura, ele acabara de casar com a sua ninfinha e mudara de casa; Até chegar a casa dele ia curioso sobre como na realidade seria a ninfa que me tinha sido descrita e ansiava por vê-la. À entrada fui apresentado com todo o respeito e delicadeza e cumprimentei-a com um aperto de mão mas não resisti a usar posteriormente toda a capacidade verbal dos meus apontamentos atrevidos à ninfinha, mimando-a com palavras de voz adocicada; Usei a estratégia de um gentleman de gabarito a dirigir-me à garotita, que se deliciava quando a conversa escorria por caminhos de humor corado com erotismo. “Que tal a vida de casada??”, “Já faz comida saborosa?” “Um destes dias vou ensinar-lhe uns truques!!” “Esta é a caminha mais fofinha que você já teve??” “Será que esta cama já conta histórias??” A ninfa esboçava risinhos de resposta ou mesmo respostas atrevidas, como “Não me queixo!” “ Ele está contente!” “Pergunte-lhe, que de certeza, vai ver que eu sei do assunto!!” misturávamos no ar uma carga de tensos momentos de conhecimento recíproco que passavam bem longe das suspeitas do Jonas que apenas se interessava pelo funcionamento do interruptor de comando dos apliques de parede. Os meus olhos tocavam bem para lá das roupas dela; com o marido junto dela não perdia a oportunidade de a olhar fixamente nos olhos, sem que ela os retirasse, mantendo um sorriso maroto e vago, que só hoje consigo decifrar como um convite a fazer mais avanços e jogos eróticos; Aos pés da cama estava a maleta da ferramenta dos pequenos arranjos, quando me apercebo de que algo fora mal ligado; E apontei para os pés da cama, onde estava a ninfinha e a maleta das ferramentas junto a ela; “Preciso de uma chave dupla”, protesto eu. “O que é isso??” respondia a ninfa, inclinando-se sobre a ferramenta, e deixando aparecer o relevo das mamas a quererem espreitar através de um pequeno decote que tinha aberto com o movimento de se agachar. A sua blusa era em seda branca deixando larga zona sobre os seios bem ajustados no soutien, mas escondidos atrás dos botões da blusa; com o agachar, um dos botões abrira-se e deixara à luz o peito semicoberto pelo soutien; Dirijo-me para a maleta olhando fixamente as mamas da ninfa e palavreando “Não se incomode Beleza que eu já a encontro no meio dessa tralha; Ora!! uma chave dupla!! Você sabe de duplas??” Roída pela traição linguística a ninfa, sorriu abertamente dizendo que por ora apenas lhe interessavam chaves simples. Fiquei remexendo a maleta à procura da chave e quando a encontrei viro o olhar para cima na direcção da ninfa que se chegara mais ao pé para olhar a quantidade de bricolage perdida na maleta e deixa que eu me aperceba da beleza do torneado das suas pernas revestidas por uma saia tradicional pelos joelhos e do brilho das suas cuecas que escondiam uma coninha que deveria estar a tremer de vontades. Mantive os olhos fixos por alguns segundos nas cuecas da ninfa e depois levantando a chave dupla disse “ Vê esta chave tem duas pontas que se podem enfiar em dois buraquinhos de tamanhos diferentes!!! É uma questão de ajustamento!” e dizia isto encoberto com um sorriso demoníaco e com os olhos perdidos no fundo dos olhos da ninfa e com algumas bruscas corridas às cuecas da ninfa, que percebe perfeitamente a situação e abre um pouco mais as suas pernas deixando que os meus olhos percebam bem o formidável rego escondido; por esta altura já o meu pau estava de tesão ao máximo, mas a delicadeza fez-me recuar e regressar ao trabalho. Gingámos mais alguma conversa e no fim o aperto de mão da entrada na casa do Jonas foi substituído por um beijo pegajoso na face da ninfa e um pousar de mão no seu ombro durante um longo minuto esvaziando mais meia dúzia de humoradas eróticas e fazendo que a minha mão deslizasse suave mas prolongadamente pelo braço da ninfa parando algum tempo ao nível do seio para sentir o seu rebordo lateral encostado no meu polegar direito; repeti o beijo desta vez mais prolongado e leve nas faces da ninfa que ficaram ruborizadas com os desejos estimulados.
E passado todo aquele tempo ( 10 anos?? ), aí estava de novo o Jonas. Perguntei-lhe pela vida e quis saber se ainda estava casado com a ninfa e formulei desejos de nos encontrarmos para uns copos e uma conversata. Perguntei-lhe se a vida ia bem, se não tivera mais problemas, se era necessário mais algum favor ou mais algum testemunho em Tribunal.. “Não por agora está tudo bem!!”. Ficámos de falar mais tarde para combinar com mais vagar a oportunidade de um bom encontro de amigos. Havia um filho de 9 anos e era sempre complicado sair para Lisboa!! Mas na semana seguinte o meu Pai telefona-me e diz-me que vai ser operado a umas cataratas e eu proponho-me a ir dar uma ajuda nas deslocações ao hospital; Estávamos em plenas férias de Natal e levei comigo a ninfa e o filho. Quando conduzia para Lisboa toca o telemóvel e quem era??. O Jonas!! Perguntava de novo como ia eu? e eu contei-lhe que ia a Lisboa para tratar de ajudar meu Pai. “Óptimo” dizia o Jonas, “Temos de nos encontrar!!”. E eu digo-lhe que desta vez seria difícil já que levava comigo minha mulher e filho. “Oiça deixa o seu filho com sua mãe e vamos jantar, nós e as nossas esposas!!” Fiquei alvoraçado com a situação e os meus pensamentos começaram logo a vaguear em torno da ninfa colossal que há 10 anos vira na casa do Jonas; como estaria?? Bom o Jonas até tem umas contitas a ajustar; o meu pensamento corria agora em torno da ninfa; não me largava o seu sereno olhar, o seu doce sorriso, as mamas a espreitar pela borda do soutien quase deixando escapar os mamilos, a coninha com o seu rego desenhado na brancura das cuecas, as sua pernas esguias e abrindo aos olhos o rego da cona, não havia carne a mais, havia a suficiente para apreciar a formosura das anatomias da ninfa; Algo me dizia que sim que deveria avançar e procurar tirar partido das fragilidades da situação antiga do Jonas; eu tinha feito muito por ele; se não tivesse sido a minha acção ele provavelmente não teria as tesões que lhe eram dadas pela ninfa nem tão pouco a vida que hoje tinha; tudo isso fervia em mim e prolongava no meu espírito a sensação de poder partilhar a ninfa ; avisei a minha mulher do que se passava e que eu teria de arranjar forma de estar com o Jonas para um jantar de confraternização, omitindo que a mulher dele também ia estar. Assim, combinámos que nos encontraríamos na Baixa Lisboeta 3ª feira às 18 horas e depois iríamos jantar; Levaríamos os carros até ao parque dos Restauradores e depois iríamos no carro dele até ao restaurante. Não havia qualquer programa feito, apenas que nos encontraríamos no Café Chave de Ouro e depois ficaria ao improviso. A restante viagem correu ao sabor do habitual; conversa com o trocar de palavras monótonas e maneireiras de qualquer casal casado há 20 anos em que as estratégias estão todas alinhadas com recuos e avanços conforme o tema de modo a que as politicas de cada um mantivessem os objectivos de sobrevivência já há muito automaticamente estabelecidos; O vizinho anda sempre com as mesmas calças, a vizinha desde há 1 mês que a não vejo; aquela da frente continua com o mesmo carro; aquele saiu para estudar; Quando se pretende provocar o outro para algo diferente lança-se: Sabes o José comprou à mulher 1 casaco com pele que custou 5.000 euros!! Vamos ver o que resulta; às vezes o pobre fica arrascado e promete que ela não ficará só a ver o casaco da mulher do Zé, mas irás ter um em que o Zé será obrigado a investir mais uns 2.000 na mulher que lhe passa a mão pelos cornos todos os dias ou mesmo todas as semanas.
O dia fora unhado em grandes andanças de hospital, casa/ casa, hospital; havia sempre algo a corrigir, pequenos encontros inesperados, alguns irmãos que estavam de aviso e comentavam as suas desandas do dia a dia; preocupações, diria o povo com a sua arte empenhada em grandes conversas para pequenas coisas; mas é mesmo assim, quando as pessoas há muito se não vêm fica sempre no ar algo que obriga a cheirar o tempo, se o tempo algo mudou ou se tudo estava na mesma, se as pessoas ainda eram as mesmas ou se houvera alguma modificação de hábitos e atitudes; é assim em qualquer família de moral pesada, como a minha; A tarde passou segura e veloz, e todo o dia nada fazia suspeitar que seria necessário estar preparado para a investida ardilosa, matreira e de denso erotismo que se desenhava; os espíritos ficaram assimilados pelo ocorrido, e as despedidas fizeram-se com, olha que se faz tarde. Ainda tenho um amigo para ver; olhe mãe tome conta dos dois, o piqueno e a piquena porque vou chegar tarde. Amanhã vamos regressar. Estas operações de catarata são coisa fácil e a euforia do êxito da cirurgia ofuscou tudo; a felicidade era tamanha e os êxitos cirúrgicos deixaram o meu velho contente e com um sorriso do tamanho da cara; benditos sejam os médicos, bendita seja Nossa Senhora, a Nossa Virgem Mãe!!!
E aí estava de carro aviado a caminho da Baixa de Lisboa pela Avenida da Liberdade a baixo para chegar aos Restauradores e apanhar o parque de estacionamento. Chegado ao Chave de Ouro ainda não chegara o Jonas, nem a ninfa e sentei-me a uma mesa virada para a rua e pedi uma água tónica; entulhando a cabeça com a tesão da ninfa; como estariam os dois? Mas como estaria ela? Como iria abordá-los? Iria concerteza abrir-lhe o livro dos calotes; havia algo ainda no caderno das pequenas dividas, que por vezes com os juros merecem destas coisas. Estava tamborilando e saboreando o acre da água quando vejo entrar a ninfa, a qual vinha serena com um sorriso feliz que lhe apanhava todo o queixo; mordiscava os dentitos na sua maneira simples de ser, quando nada lhe levantava o curioso oculto que lançava espirros de malícia sobre a mente artilhada; levava a sua saia caída abaixo dos joelhos, sarapintada com pregas a toda a largura, com pernas sem qualquer protecção para lá da saia e com as cuecas em seda creme e rendilhados; vestia um casaco de cabedal castanho porque o tempo estava frio. Por baixo do casaco vestia uma camisita creme abotoada até acima, atrás da qual tinha o peito, o qual passados estes 10 anos mantinha o mesmo vigor, protegido por um soutien preto, para impedir que olhares mais assanhados ficassem apanhados na malha do tesão saído das formas eróticas únicas; E vai daí reparo no Jonas que a seguia logo atrás;

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


6417 - A MANA E O JUCA- 1ª PARTE - Categoria: Incesto - Votos: 1
6456 - A DIVIDA - 2ª PARTE - Categoria: Traição/Corno - Votos: 1
7086 - JONAS EM ESPANHA - Categoria: Traição/Corno - Votos: 1
9760 - ARRANJO BARATO DEMAIS - Categoria: Traição/Corno - Votos: 2
9761 - ARRANJO BARATO DEMAIS- PARTE 2 - Categoria: Traição/Corno - Votos: 2
9762 - a casada se esquece da aliança - Categoria: Traição/Corno - Votos: 1
9764 - A mãe do bruno - Categoria: Incesto - Votos: 1
9765 - A mãe do bruno- 2ª parte - Categoria: Incesto - Votos: 1
9800 - O juca e a mana- 2ª parte - Categoria: Incesto - Votos: 1

Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico luiscarlos141

Nome do conto:
A DIVIDA- PARTE 1

Codigo do conto:
6278

Categoria:
Traição/Corno

Data da Publicação:
13/11/2005

Quant.de Votos:
2

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


so pica enorme cu gay contospeitos pequenos com rodelas grandesO danado do sobrinho gemia muito - contos eroticos gaymeu rockeiro roludo conto eroticoporno gay josman meu selvagem e atrevido filhocontos erodicos vi meu marido cumeno minha filhaxxvideo enviando abraço na buceta contos eroticos o pirocudo do orfanatoA noite que ele pediu pra,ser cornoUltimos contos de coroaconto erotico meu marido me comeu do lado do meu filho dormindogenroscontoeroticoconto de incesto minha mae e uma vacacontos eroticos novinha chupei a rola grande e grossa do padrinhohistorias porno desenhosContos eroticos de Carlacontos eróticos estuprei minha irmãconto erótico meu tio me ensinando a amamentarqual a senssao q a mulher sente na buceta peluda quando e estrupadadesenho porno de negaoConto erotico sadomasoquismo gay Usa cinto de castidadedotado gozando na bocaque ver conto erotico imao es piano imao novinha peladaentiadacontoeroticoContos eroticos dei a buceta para um pêao de obraconto erótico brincadeiraputa na frente do marido contocontos eroticos a costureiracontos porno o dia q eu dei carona pro garoto gordinhocontos eroticos gay meu primo duvidou e comi eleConto erotico Bernado e Manuelaenganado pelo velho conto eroticocontos de sexo forçado com velhos taradoscontos eroticos do dia que senti tesao pela minhapropria irma arregacei xvideoMinha amiga chupou minha buceta e agora?contos gay roçamundo erótico o peludo me pegou e fudeu meu rabotitias sedutoras incesto anal forçadoporno conto eroticom com a netaconto erotico esposa fielconto erotico estrupo gayContos eroticos fantasias secretasgata da noite usuaria contos eroticosrevista pornoconto erotico escravacontos veridico de incesto irmao novinho bem dotado seduz sua irma casada e fode elasexo signos zona eroticacontos eroticos de homem transando com o padrinho militarso as gostosa cunhadinha linda. tirando a calcinhamolhadacontos eroticos madrinhamulheres esfregando suas bucetasfui corno da namorada contos 2017contos milf escapadinhaContos eroticos dei a buceta no barracoconto erotico o medicocontos eroticos minha mae cinquentonabuceta da minha afilhadaContos eroticos minha filha minha iniciaçaocontos eroticos com figurinha de amigo pauzudoconto erotico aliviarcontos eroticos entre mae e filhosfilmes eroticos de casadas sendo fodidas por borracheiroquadrinho porno gordas sedutorasContos ero onibus masturbcontos eroticos encoxada no onibusminha esposa com meu amigo pauzudoconto erótico aliviei ele punhetavideo porno de mae tentando acarmar o filho taradoContos trai meu marido com velho negao pedreiroxvidio fui na casa da minha namorada e so tava Minha Sogra cumi a Sogra a forçahental chaves comendo cuzinho da chiquinhacontos eroticos. comendo a carcereiraLesbian Sobrinha Sex