Puta por três dias num cabaret II

Click to this video!


2º Dia - 1ª parte

Acordei bem disposta, pequeno-almoço rápido, telefonei ao Manel que tinha almoçado com os alemães, tinham reuniões até às 9 da noite, iam jantar e não deviam chegar à Cova da Onça antes das onze e meia ou meia-noite. Óptimo. Apetecia-me ver o Pedro antes de estar com os alemães e com um bocadinho de sorte talvez conseguisse se tudo corresse como eu esperava. Vesti-me desta vez com uma saia preta comprida, top encarnado e sapatos com um salto muito alto e também encarnados. Com soutien e calcinhas de acordo com as especificações recomendadas pelo Sr. Mário que foi ao pormenor de dizer que a cor devia ser preto ou encarnado escuro. Pensam em tudo. Continuava imenso calor. Estive para ir de carro mas resolvi apanhar um táxi e cheguei ao bar às 4 horas. Claro que estava fechado.

Toquei a campainha e apareceu um porteiro novo, eu disse que trabalhava lá e que o Sr. Mário estava à minha espera. Mandou-me entrar, ligou para o Sr. Mário e disse para ir ao gabinete dele que estava á minha espera. Muito simpático, perguntou se eu tinha gostado da noite anterior e que sabia que me tinha corrido bem. Levantou-se, fechou a porta à chave, despiu-se mandou-me despir e disse para ficar só com os sapatos. Sentou-se comigo no sofá, apalpou, mordiscou e lambeu, eu comecei a dar-lhe beijinhos e ele quis logo penetrar-me. Foi mesmo ali no tapete do chão e correu bem. Achei graça porque a seguir disse-me que nunca mais me
incomodava, porque nunca se metia com as meninas que trabalhavam lá. Respondi que não me tinha incomodado nada e que sempre que quisesse me chamasse. Foi querido e agradeceu muito. Avisou-me que o patrão estava a chegar e que iria querer conhecer-me também e que me ia perguntar se eu me tinha envolvido com ele ou com qualquer outro empregado da casa. Pediu-me por tudo para eu dizer que não, para não arranjar sarilhos nem para mim nem para ele. Disse-lhe que podia estar descansado. Como a sala só abria ás oito horas, mandou-me ir para o refeitório onde já estavam algumas miúdas e esperar que o patrão chegasse e me mandasse chamar. Fui à casa de banho lavar-me, pois já tinha percebido que ia levar com o patrão. No refeitório estavam as duas primeiras que me ajudaram (foi aí que lhes dei o dinheiro que ganhei graças a elas). Uma comoveu-se e até chorou. Também já lá estava a Irene (miúda que tinha saído com o Manel na noite anterior), disse logo que aquele cliente com quem tinha estado na véspera lhe disse que queria sair com ela e comigo. Caldinhos do Manel.
Chegou o patrão. O porteiro foi-me chamar e levou-me ao gabinete dele. Mandou-me entrar, nem olhou para mim. Estava sentado numa cadeira em frente a uma secretária vazia onde não havia um único papel. Sempre sem olhar para mim perguntou se eu era a Carla, chegou a cadeira para trás e disse para eu me sentar na secretária. Assim fiz, levantou-me a saia, perguntou-me se estava lavada e se ainda não tinha fodido naquele dia. Perguntou-me se o Mário já me tinha querido foder. Respondi que o Sr. Mário era muito respeitador e não tinha tentado nada. Sempre sem olhar para mim, disse que ainda bem. Puxou-me o top para baixo, tirou-me o soutien e de pé começou a beijar-me as mamas e a mordiscar devagarinho. Sentou-se outra vez, abriu-me as pernas e começou a lamber-me e fazia bem minete. Voltou a levantar-se, abriu a braguilha tirou o pau e enfiou uma camisinha. Sem se despir introduziu durante muito tempo e sem se vir. Disse para eu me sentar na cadeira dele, sentou-se na mesa e disse: agora, minha puta, faz-me um broche à maneira. Chupei-o mais de dez minutos sem se vir e quando se estava a vir, tirou da minha boca e veio-se nas mamas e na cara. Resultado, fiquei com o top todo sujo e sem o poder usar. Felizmente havia uma casa de banho dentro do gabinete onde me pude lavar, mas o top não dava para usar. Disse-me que não era problema pois tinha ali um presente para dar a uma amiga e que me ia dar a mim. Era uma camisa branca e muito fina, quase totalmente transparente. Ainda bem que segui o conselho do Sr. Mário e estava de soutien, porque se iria ver tudo. Ele disse que não fazia mal e que isso me ia ajudar no meu trabalho. Foi a única vez que se riu e olhou para mim. A camisa até era gira e de muita qualidade. Como devia ser o número abaixo da minha medida, entre os botões abria imenso. Era quase como se estivesse só de soutien. Deu-me um beijo na boca e disse que queria estar comigo uma vez por semana. Foi uma sensação estranha, senti-me tratada como uma coisa ou um bicho. Enfim, foi uma experiência! Mas confesso que foi uma situação que me excitou imenso e me fez algum tesão.

Voltei para o refeitório e perguntaram-me se já tinha ido ao castigo. Ri-me. Jantámos carapaus com molho à espanhola, uma taça de vinho branco, maça assada e café. O empregado que na noite anterior me tinha levado a dois clientes, ficou ao meu lado e empernou comigo durante todo o jantar e eu com ele e no fim disse que eu tinha que lhe dar uma borla. Como ele tinha uns lábios muito carnudos respondi quando ele quisesse.

Às 8 horas fomos para a sala e começou a música. Como ainda não havia clientes estivemos todas na pista a dançar para fazer exercício porque íamos passar muito tempo sentadas. Chegaram os primeiros clientes e fui convidada para beber um copo ao balcão. Eu tinha uma vantagem. Era novidade e a Cova da Onça tinha muitos clientes habituais e muitos iam exatamente só à procura de carne fresca. Daí o meu sucesso. O cara era novo, quis uma mesa para bebermos um champagne. Cena do costume mãos por todo o sítio (acesso mais fácil) do que na véspera primeiro porque estava de saia e os botões da camisa quando se mexia abriam todos. Disse que queria sair comigo mas que só podia pagar setenta e cinco euros. Não me interessava o dinheiro, queria era ver outra vez o Pedro. Apanhámos um táxi e fomos para a Sereia. Foi uma rapidinha com um tipo desajeitado que se veio antes do tempo. Mais um que ficou contente por eu ter atingido o orgasmo. E para alguns homens basta gemer mais alto. São mesmo tontos. Deu-me mais vinte euros. Foi-se embora e o Pedro foi lá ao quarto. Não se podia demorar mas demos uns beijinhos e chupei-o. Disse-lhe que mais tarde se calhar voltava com um grupo grande. Seriamos oito ao todo. Quatro homens e quatro mulheres. Disse que não havia problema, que nos dava dois quartos grandes com porta de ligação. Foi-me mostrar, achei ótimo. O Pedro pediu-me para esperar um bocadinho, voltou e disse que por ele podia ficar 10 minutos se eu o quisesse aturar. Claro que sim e foi também uma rapidinha.

Voltei para o cabaret às 9,30 da noite.
As minhas protetoras estavam numa mesa com 3 clientes e fui ter com elas. Eles convidaram-me para a mesa, ofereceram-me uma bebida e começaram logo a mexer e a beijar. Fico excitada quando beijo homens diferentes, a saliva tem consistência e sabor diferente de homem para homem, tal como o esperma. Às escuras ou
de olhos tapados reconheço a saliva ou o esperma dos meus amigos mais habituais. Ali foi o caso porque eles pediam mais bebidas para nós e estavam sempre a querer que mudássemos de lugar para poderem beijar e apalpar todas. Eu não tinha tempo de fechar os botões da camisa e resolvi não me preocupar com isso. Um deles, ao lado de quem me tinha acabado de sentar meteu-me um dedo na boca e percebi que vinha direitinho da rata da miúda que tinha estado ao lado dele. Estavam à espera de mais dois amigos e depois queriam sair para fazermos uma grande festa. Mais uma vez apareceu o empregado que na véspera me chamou 2 vezes para me levar a outros clientes e que passou o jantar a empernar. Desta vez disse para eu ir ao gabinete da gerência porque o Sr. Mário queria falar comigo. Pensei que era por estar com a camisa toda aberta. Enganei-me. Disse-me que tinha gostado muito de estar comigo e que o patrão lhe disse que eu afirmara que o Sr. Mário era muito respeitador e como agradecimento queria apresentar-me o melhor cliente da casa e que seria um ótimo cliente para mim. Disse-lhe que também tinha gostado e que sempre que ele quisesse eu estava disponível.

O Sr. Eng.º. já me tinha visto, queria beber um champanhe comigo e depois sair. Avisou-me que ele não ia para hotéis nem pensões, que vivia com a família no Alentejo e que tinha uma casa em Lisboa para quando vinha à cidade e era para lá que me ia levar. Podia estar descansada pois não havia problema, ele era de toda a confiança e disse para eu nunca falar em dinheiro pois que no fim ele entregava sempre um envelope e um presente. Fui para a mesa do Eng.º e só tinha uma preocupação. O tempo! Já eram dez e meia e não sabia nem podia perguntar quanto
tempo ia demorar nem mostrar que tinha pressa. Quando cheguei à mesa o Eng.º levantou-se para me dar dois beijinhos e convidou-me a sentar (nas variadas experiências que tive deste gênero foi o único cliente que se levantou para me falar). Ofereceu-me uma taça de champanhe e conversou comigo sobre vários temas. Disse-me que eu tinha uns olhos muito bonitos e meigos. Disse que gostava de me convidar para ir a casa dele. Aceitei. Um verdadeiro Senhor. Pediu a conta e eu pedi dois minutos para ir à casa de banho. Fui falar com a Irene, a miúda que na véspera tinha saído com o Manel e avisei-a que ele ia chegar com uns amigos estrangeiros mas que lhe dissesse que eu tinha saído com um cliente e não sabia a que hora voltava. Não podia fazer outra
coisa. Saí com o Eng.º e ele tinha o carro à porta e o porteiro tinha a chave. Era um Range Rover. Fomos para o apartamento dele e lembro-me que era em frente ao sítio onde agora é o El Corte Inglês. A casa era enorme, muito bonita e confortável. Ofereceu-me uma bebida, fizemos uma saúde e perguntou-me se eu gostaria de me masturbar com ele a assistir. Respondi que teria o maior prazer em o fazer. Sentia o coração a bater rápido por não saber se estaria à altura do que ele pretendia. Levantei lentamente a camisa, deixando à mostra a barriga e o umbigo, a mão escaldava ao passar suavemente pela pele, percebi então que o calor era devido ao estado de exaltação em que me encontrava. Ao abrir os olhos obtive a confirmação, os mamilos estavam completamente excitados, despontando na camisa cheios de tesão, não era normal sentir-me assim, tentada, com o corpo a transbordar excitação. Tornei a fechar os olhos, deixando-me levar pela imaginação. Aos poucos comecei a massajar a barriga, as mãos deslizando pelo corpo, sentia breves arrepios e os minúsculos pelos arrebitavam à passagem das mãos. Lentamente a mão esquerda subindo no corpo, procurando desvendar o interior da camisa. Acabei por chegar à mama esquerda, cheia de tesão, com as pontas dos dedos procurei tocar no mamilo, estava saliente e rígido, mordi levemente o lábio inferior ao sentir o prazer do toque. De olhos fechados e na minha imaginação surgiu então o Eng., revi a sua cara, o olhar intenso que me deixou assim perturbada e inundada de desejos. Ele ali na sala a observar o desenrolar dos acontecimentos. Num movimento delicado despi-me em direcção a ele. O tronco totalmente nu ficou exposto, com a cor da pele ainda bronzeada pelo sol de verão. Deixei-me deslizar ainda mais no sofá, encontrava-me agora praticamente deitada, levei um dedo à boca chupando-o docemente até ficar bem húmido. Passei o dedo pelo mamilo sentindo arrepios percorrerem-me o corpo todo, estava em êxtase com tanto desejo que brotava do interior do meu corpo, adorava a sensação de acariciar o mamilo com pequenas ondas molhadas, que excitação! Levei a mão para debaixo da saia, senti o início das cuecas na ponta dos dedos, notava um calor anormal vindo daquela parte do corpo, questionei-me por que razão a presença dum desconhecido me estava a levar a este ponto? Os dedos deslizaram então para o cimo da xoxota, notava a cueca algo húmida da excitação e um simples escorregadela de dedos foi suficiente para o comprovar, o centro da cuequinha ficou de imediato inundado. Por breves momentos acariciei-me por cima da cueca, gostava de sentir o roçar do pano na minha gruta. Lembrei-me das vezes em que me deitava na cama a masturbar-me sozinha, dando prazer a mim própria de uma forma tão íntima como agora estava a fazer. No entanto desta vez era diferente, o anseio teve um único culpado, um perfeito desconhecido a observar-me e que além do mais me ia pagar para eu o servir. Num reflexo afastei um pouco as pernas para os dedos saborearem melhor o percurso. Resolvi matar o desejo entrando no interior da cuequinha, primeiro um dedo, depois outro, depois mais outro. Notei que a penugem estava totalmente húmida à passagem dos dedos, soltei um breve gemido quando um dos dedos penetrou no interior da rata, parecia que ia haver erupção para breve. A cada passagem começava lentamente a perder o controlo de mim mesma, o prazer do toque aumentava ao ritmo dos dedos a deslizaram no suco quente, desvendavam agora os lábios grandes e pequenos . Por mais do que uma vez necessitei de me conter para não morder o lábio inferior. Sentia o corpo a contorcer-se a cada guinada de prazer vindo do interior, por momentos imaginei que aquela mão fosse a do desconhecido, eram os seus dedos que realmente me apetecia sentir dentro de mim, percorrendo o interior, descobrindo cada saliência provocante. Com a excitação do momento acabei por levar ambas as mãos à saia baixando-a para baixo dos joelhos, da mesma forma agarrei as laterais da cuequinha e fi-la deslizar pelas pernas quentes, levantando somente um pouco o rabo.
Abri então as pernas massajando levemente com a mão esquerda as coxas e a penugem toda humedecida. Com dois dedos afastei os lábios grandes externos da xoxota mostrando o interior rosado e molhado de excitação. Afastei os dedos o máximo que consegui para invadir o clítoris com o dedo indicador da mão direita, estava mesmo necessitada de prazer carnal, sentia falta de alguém dentro de mim e não me fiz rogada com a possibilidade de roçar e percorrer a pequena saliência mágica, crescendo a intensidade, aumentando a excitação a cada movimento do dedo, sentia a respiração cada vez mais instável, estava quase lá… Deixando-me levar pela luxúria não tentei mais conter o deleite e vim-me soltando um gemido incontrolável. As pernas contorciam-se com o percorrer do contentamento no interior do meu corpo, espasmos
involuntários de prazer, juntei os braços em cruz sobre as mamas, sentindo a pulseira de prata a contorcer-se contra a pele e apertei intensamente as pernas para desfrutar totalmente do prazer. Era a primeira vez que me tinha masturbado na presença de um estranho que se deixou ficar ali quieto e calmo a gozar o momento e o espetáculo. Afinal, ia pagar para isso. Senti-me uma depravada por momentos, suja por dentro e por fora. O engenheiro, como que adivinhando o meu pensamento perguntou se eu queria tomar um duche (graças a Deus) e eu aceitei. Desde que saí de casa já lá iam 4 (Sr. Mário, o patrão, o desajeitado e o Pedro). Bem precisava de um duche. Levou-me à casa de banho, disse-me que em cima dum banco estava um toalhão lavado, um roupão e uns chinelos, mas que preferia que eu ficasse de saltos Puxei a cortina da banheira para o lado e fiz rodar o manípulo da água quente. Enquanto a água corria, a divisão era invadida por uma nuvem quente e húmida, olhei-me ao espelho e gostei de me ver. Resolvi entrar na banheira e tomei um duche rápido, entrei no quarto e foi ele tomar um duche. Voltou abraçou-me, deitou-me na cama e beijou-me o corpo todo comigo virada para cima e depois para baixo. Pediu-me para lhe fazer o mesmo. Muito meigo, sempre a fazer festinhas e a dar beijinhos. Fizemos um enorme sessenta e nove e penetrou-me prolongadamente. Foi muito bom. Disse-me que estava cansado mas que no dia seguinte se eu estivesse disponível e quisesse me convidava para almoçar e para passar a tarde com ele.
Aceitei e pedi-lhe para tomar outro duche. Quando saí deu-me um envelope que só abri no táxi (200 euros) e um embrulho com um presente que abri logo e era um perfume francês muito bom. Pediu-me para estar à 1 da tarde num restaurante, um dos melhores de Lisboa. Já no táxi contei o dinheiro e perfumei-me. Cheguei quase à 1 da manhã de volta ao cabaret

continua

Foto 1 do Conto erotico: Puta por três dias num cabaret II

Foto 2 do Conto erotico: Puta por três dias num cabaret II

Foto 3 do Conto erotico: Puta por três dias num cabaret II

Foto 4 do Conto erotico: Puta por três dias num cabaret II

Foto 5 do Conto erotico: Puta por três dias num cabaret II


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario

Comentou em 05/12/2014

Carla, seus conto são maravilhoso um melhor que outro, fico muito excitado lêndo votado

foto perfil usuario anninhamaria

anninhamaria Comentou em 17/09/2014

Que delícia! Lembrou-me um filme da Sylvia Kristel! Votei, cheia de tesão!

foto perfil usuario cristina23livre

cristina23livre Comentou em 15/09/2014

os dias estão ótimos, falta o terceiro, espero que nao demore rs rs rs beijos




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


49943 - Serviços técnicos do hotel - Categoria: Heterosexual - Votos: 59
49968 - Call girl - Categoria: Heterosexual - Votos: 45
49997 - Camionista de TIR (grande aventura) - Categoria: Heterosexual - Votos: 36
50006 - CASA DEMASSAGENS - Categoria: Heterosexual - Votos: 28
50036 - Call girl -continuação - Categoria: Heterosexual - Votos: 34
50042 - Puticlub em Espanha - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 33
50052 - Orgia com africanos e com o meu marido - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 38
50084 - NUM IATE COMO ESCRAVA SEXUAL I - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 30
50095 - NUM IATE COMO ESCRAVA SEXUAL II - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 32
50129 - NUM IATE COMO ESCRAVA SEXUAL III - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 34
50135 - CABARET NAS ILHAS COMORES - Categoria: Coroas - Votos: 33
50173 - CASTING PARA FOTOS E FILMES PORNO - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 27
50260 - A TRÊS NUM ALMOÇO NUM HOTEL - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 30
50262 - PERGUNTAS AOS LEITORES E AMIGOS ???? - Categoria: Heterosexual - Votos: 38
50394 - A PRIMEIRA GTRANDE AVENTURA - Categoria: Virgens - Votos: 28
50422 - CONVIVER COM PARES DE CORNOS - Categoria: Traição/Corno - Votos: 33
50427 - CONVIVER COM PARES DE CORNOS Parte II - Categoria: Traição/Corno - Votos: 27
50628 - CONVIVER COM PARES DE CORNOS Parte III - Categoria: Traição/Corno - Votos: 27
50631 - EM ALCÂNTARA - SEXO AO VIVO - Categoria: Exibicionismo - Votos: 33
50678 - AMIGOS ANGOLANOS - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
50694 - JANTAR COM ANGOLANO BEM DOTADO E….. - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
50697 - AFRICANOS - Categoria: Interrraciais - Votos: 32
50912 - AMOR E PAIXÃO - Categoria: Fantasias - Votos: 18
51046 - TAÇA- Cheia de esporra - Categoria: Fantasias - Votos: 34
51175 - GRANDE ORGIA-PREPARATIVOS - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 19
51207 - GRANDE ORGIA-O JANTAR - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 25
51244 - GRANDE ORGIA- O DEBOCHE TOTAL E BACANAL FINAL - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 23
51598 - TRIÂNGULO AMOROSO-LITERÁRIO - Categoria: Fantasias - Votos: 26
52518 - SEXO EM QUALQUER SÍTIO - Categoria: Heterosexual - Votos: 23
52696 - SEXO EM QUALQUER SÍTIO II - Categoria: Heterosexual - Votos: 20
53068 - SEXO EM QUALQUER SÍTIO III - Categoria: Heterosexual - Votos: 25
53115 - AJUDAR CASAIS LIBERAIS - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
53296 - Puta por três dias num cabaret - Categoria: Traição/Corno - Votos: 24
53367 - ATRAÇÃO PELO DESCONHECIDO - Categoria: Traição/Corno - Votos: 31
53427 - Puta por três dias num cabaret II-2ª Parte - Categoria: Traição/Corno - Votos: 26
53536 - Puta por três dias num cabaret III-1ª Parte - Categoria: Traição/Corno - Votos: 20
53625 - Puta por três dias num cabaret III-2ª Parte - Categoria: Traição/Corno - Votos: 22
53662 - Puta por três dias num cabaret III – 3ª Parte - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
53671 - FUI PUTA DE ESTRADA -conto curto - Categoria: Traição/Corno - Votos: 45
53898 - SACANAGEM DIVERTIDA (conto curto) - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 20
53917 - ANEDOTA (muito curta) - Categoria: Interrraciais - Votos: 17
54163 - A MINHA INICIAÇÃO EM SADOMASOQUISMO - Categoria: Sadomasoquismo - Votos: 21
54180 - A MINHA INICIAÇÃO EM SADOMASOQUISMO II - Categoria: Sadomasoquismo - Votos: 24
54287 - A MINHA INICIAÇÃO EM SADOMASOQUISMO III- 1º conto - Categoria: Sadomasoquismo - Votos: 21
54299 - A MINHA INICIAÇÃO EM SADOMASOQUISMO III- 2º conto - Categoria: Sadomasoquismo - Votos: 19
54349 - A MINHA INICIAÇÃO EM SADOMASOQUISMO III- 3º conto - Categoria: Sadomasoquismo - Votos: 25
54478 - COM UMA CLIENTE DO ESCRIÓRIO - Categoria: Lésbicas - Votos: 40
54552 - RÁPIDA NO BANHEIRO - Categoria: Traição/Corno - Votos: 28
54949 - BANQUETE E SEXO COM UM PRESIDENTE AFRICANO I - Categoria: Heterosexual - Votos: 24
55081 - BANQUETE E SEXO COM UM PRESIDENTE AFRICANO II - Categoria: Interrraciais - Votos: 27
55358 - BANQUETE E SEXO COM UM PRESIDENTE AFRICANO III - Categoria: Traição/Corno - Votos: 19
55428 - PESCARIA - Categoria: Traição/Corno - Votos: 29
55591 - BANQUETE E SEXO COM UM PRESIDENTE AFRICANO IV - Categoria: Traição/Corno - Votos: 21
60431 - SWING, STRIP E SEXO AO VIVO - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 45
60526 - EXIBICIONISMO NUM PIPIDROME - Categoria: Exibicionismo - Votos: 26
60590 - NA HOLANDA FUI PROSTITUTA DE MONTRA - Categoria: Exibicionismo - Votos: 26
60716 - Labirinto de prostitutas em Hamburgo - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 21
60874 - Labirinto de prostitutas em Hamburgo II - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 19
61100 - Regresso a casa - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
61196 - No Bar da Sandra - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 26
61290 - Dois africanos VIP - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 26
61378 - Dois africanos VIP II - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 23
61478 - Dois africanos VIP III - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 24

Ficha do conto

Foto Perfil amoreribamore
amoreribamore

Nome do conto:
Puta por três dias num cabaret II

Codigo do conto:
53363

Categoria:
Traição/Corno

Data da Publicação:
14/09/2014

Quant.de Votos:
20

Quant.de Fotos:
5


Online porn video at mobile phone


Contos eroticos com coroas casadas que perdeu as pregas com o genrogayzibho gemendo loucamente contos heroticosconto erotico de mae e filho com fotosmamãe me transformou em mulherzinha contocontos dopou irmã fuder guadrinhoconto erotico mao inteiracontos eroticos pai viu a filha tomando banhoconto erotico mamando nastetas de minha irma e meu cunhado mamando no meu paucontos eroticos de vovo fodendo a força neto gay com fotosputa e cornoTransando com o pai do meu namorado contofotocontos eroticos meu tio pegou meu primo me fudendo e me fudeu tambemcontos vimos uma rola giganteContos gay pau pequenocasal sem saida esposa chatagiada contos eroticocontos erotico no morroconto tirei o cabaço da tia solteironacontos erotico coroas e meninos gayaudio de incesto conto para ouvirconto erótico pingocontos eróticos agarraram a minha esposa e comeram ela até ela gozarconto erotico ilustrado cornosporno gay quadrinho entre pai e filhoconto gay irmaos gemendo no pirocao do irmao c fotoconto erotico minha buceta e peluda you tubeconto estuprada por um pauzudocontos erroticos de incertos filha amante do pai 2017 ltimas publicaes com fotos porno contos limpando quintal por comidaTravesti inceto desde pequena Contosxvidio gulozaputtinha de aguaboa mtincesto extraordinariominha esposa minha puta contoconto erotico gabrielaanal eroticoperdi as preguinhas do cu quando era pequenairmã deixar seu irmão goza vendo seu chotinho contos de sogra cheirando cueca do genrofotos buceta menstruadaConto erotico neguinho pintudominha cunha espero meu irmão sai e mim mandou ajudar a ela a apertar o sutiã e eu a cumei sexokomik porn illustratedGuadrinho eroteco pai e filhacontos eroticos gay sendo estuprado por taradosconto erotico filhas do patrão pegou o jardineiro pauzudo batendo puetanovinhas e seus contosconto erótico esposa dominadamunheres se biquini fio detau na praia bufeta rajadascontos eróticos de doutor advogado e clientemonalisa contos eroticosconto erótico corneei com o chefeconto erótico de casal com secretariacontos mamei o novinhoobrigado a baixinha da bunda e dois filhos condição de shortinho filme pornôPorno conto casada milf e o frentistame fuderam depois de casada contocontos de incesto avô e netaConto gay:doce vingança cap 2Conto erotico de novinhanovinhas e seus contosfotos xxx super calientesContos eroticos de mamae e filhas gulosas mamando nos pauzao grandao grossao dos cinco filhos numa suruba em casamoreno hetero contominha mãe filmou meu pai me comendoquadrinho herotico gayalyamirantinane@gmail.comsogra gordinha nuacontoeroticodfEu fundendo o cu da minha sogra viuva ela disse fode meu genro meu cu ai ai eu vou gozar pelo meu cu conto eroticoconto erotico tarado comendo buceta da cabrita no.zoofiliaconto erotico irmaos nuConto erotico com fotos Cheirando calcinhas da vizinhaaultimos contos incestos