Fazendeiro vaqueiro safados e chefe de peões.

Click to this video!


Continuação de: Fazendeiro e vaqueiro safados
Januário, chefe dos peões, fascinado com o que via, deu asas à imaginação. Momento de dar volta por cima naquele janota fedelho.
Seu corpo torneado e bem cuidado dava sinal de êxtase incontido. Seu pau há tempos não tinha um cuzinho para saborear. E agora eram dois. Muita sorte!
-O farmacêutico, então, faz parte de sua vida mesmo! Quero ver a história que vai inventar agora, depois desse flagra!
A interrupção daquele prazer a muito desejado fez Roberto – o fazendeiro – avermelhar de ódio. Com as faces vermelhas já se vestindo e ajudando Clinton – o peão – se levantou tenso como uma vara verde grossa de árvore centenária, olhos cerrados dirigidos a Januário, torta pelo vento forte. Senhor do poder da fazenda, depois de intensa luta entre irmãos, disse, secamente:
- E eu preciso de vigia? De espião? Pelo que sei tem muito que fazer no pasto!
Seus olhos não deixaram escapar aquele volume cheio de gozo controlado que aparecia na calça do chefe os peões. O espírito no celeiro mudou drasticamente. Momentos luxuriantes e tesudos trocados por sua autoridade indiscutível.
- Vai para o pasto que depois conversamos em particular. Sua manicure te espera!
Januário apagou como um balão murcho ao se ver frente a um ‘segredo’. Abaixou a cabeça.
Roberto, após a luta intensa com irmãos pela herança, havia reforçado sua personalidade, forte e inteligente, com as ousadias sexuais ocultas. Tinha poder e dominou a fazenda.
Subiu no cavalo e, com isso, exigia que os empregados fizessem o mesmo. Cavalgou célere, em direção a casa principal. Não engolia fácil aquela ousadia de Januário a quem já conhecia de longa data. Inclusive seu interesse pelos peões mais novos, sempre vítimas de seu apetite. Sua cabeça fervia e acelerava a procura de planos. Ademais estava satisfeito e esgotado pelos gozos seguidos com Clinton. Não era hora de desafios e afrontas, mas de planos fortes. Precisava colocar aquele macho passivo enrustido no seu devido lugar.
Dois dias após esses fatos caminhava entre o cafezal em companhia de Januário, vistoriando a plantação do ataque das pragas, quando parou a montaria, desceu e se embrenhou no meio do bosque vizinho. Januário, surpreso e obediente, desceu do cavalo e seguiu o patrão. Parado frente a uma árvore caída e velha, Roberto tirou a camisa. Tinha ciência de desejos obscuros do empregado. Espreguiçou aquele corpo torneado, desafivelou o cinto, baixou a calça rústica, deixando a mostra à cueca branca que delineava de seu membro semirrígido. Esses planos, apesar de forçados, eram necessários para manter o poder a seu alcance. Sabia o que o interessava ali ao seu alvo: sua jeba.
Januário, filho do antigo capataz, era bonito em sua rudeza, jamais descuidou do corpo, forte, esguio, cabelos negros como breu e, incrível, olhos negros e profundos, refletiam as folhagens, mas era arrogante.
Por isso Roberto, no afã da procura de um parceiro sexual, tinha o descartado. Deixou na espera. Encostado no resto da velha árvore deixou apenas a cueca branca e o volume à mostra, abaixou e urinou. O capataz fez o mesmo, quase por instinto, mas de olho naquele monumento grande, grosso e sempre desejado que saltava da cueca abaixada por inteiro. Senhor da situação antes controlada em sua cabeça, o fazendeiro sabia que aquela visão seria irresistível após a bronca autoritária de dias antes. Januário, com ciúme e inveja de Clinton, queria um ‘pequeno’ espaço para uma investida. Estava submisso em essência.
Roberto era ciente dessa disputa. Por isso se recostou à árvore como estava: calça e cueca abaixada. Seu pau, meio endurecido pelo que sabia que viria, relaxava entre suas coxas. Seu profundo e brilhante olhar cor de mel e verde perscrutava Januário, entregue ao momento. Olhos se cruzaram, fortes e desejosos. Inevitável. Sem dar tempo a pensar agasalhou não esperando permissão: a boca suga o caralho do chefe dos peões cheio de paixão. Indo profundo, explorando o saco, as bordas da bunda, Januário quase enlouquece. A língua sôfrega e dona de personalidade própria Invade o anel que Januário entregava.
Aquele era um trecho único no cafezal por conta da árvore centenária caída que escondia tudo de todos. Puxa a cabeça do parceiro e enfia a pica grossa e única naquela boca sedenta e cheia de ciúme. Sem vacilar vai fundo, engasgando na garganta profunda que se abria.
Os gemidos são deliciosos: Caralho enfia mais, enfia tudo, patrãozinho. Já dono da situação Roberto oferece movimentos suaves e leves para ser engolido por inteiro. Fode a boca que se oferecia como se fosse um selvagem. Os gemidos correspondiam ao furor: Quero mais, goza aí, me deixa engolir, sempre desejei tanto, resmungava Januário, completamente entregue a seus desejos, sem perceber o jogo canalha do patrão. Roberto dominava inteiro. Virou o parceiro, forçou a ficar de quatro e penetrou sem dó. Tal o grito de prazer saiu daquele homem que espantou todas as aves pousadas nas redondezas. Os corpos tremiam de tesão descadenciado. O jorro no cu do Januário foi lambuzado, cheio, único e de afogar seu interior.
Uma cabeça levanta, satisfeita e extenuada, procura um lábio e encontra o vazio. Roberto já tinha tirado o pau, se limpava, vestia as roupas e, pronto para assentar ao cavalo, escuta:
- Me espera patrãozinho. Já estou me aprontado. Nesse momento descobre que só a calça lhe restava. Assustado se vestiu e cavalgou. Foram em direção da fazenda central. Hora da peãozada se reunir. Roberto entrega uma cueca suja de sangue e porra. para o peão leva-e-traz e de quem nada escapa. Satisfeito, se vai em direção a sua casa. Clinton, atento, percebe o que houve.
Ao redor da fogueira cuidando da segurança da manada nos pastos, o grupo se reúne para uma carne e batata doce assada na brasa. O leva-e-traz com a cueca suja cheia de porra e sangue nas mãos, na qual Roberto havia limpado seu pau para tira o sangue do passivo e a coloca na roda.
- Porra, essa cueca é do Januário! O que ela faz aqui?
- Sei não, Januário sumiu umas duas horas hoje a tarde. E o patrãozinho também. Ficou sumido esse tempo. E agora a cueca dele aparece cheia de sangue! E de porra?

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario darksite53

darksite53 Comentou em 18/02/2014

Que patrão cruel.

foto perfil usuario lutasuoresexo

lutasuoresexo Comentou em 01/04/2013

Isso da uma novela, continua vai!!!!




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


26406 - O ELETRICISTA INICIANTE - Categoria: Gays - Votos: 25
26407 - O ELETRICISTA INICIANTE 2 - Categoria: Gays - Votos: 21
26451 - Por acaso? Ou mensagem corporal? - Categoria: Gays - Votos: 8
26510 - Internação Hospital - Aquele Técnico - Categoria: Gays - Votos: 7
26760 - Fazendeiro e vaqueiro bem safados - Categoria: Gays - Votos: 14
26845 - FRAGMENTOS SEXUAIS - Categoria: Gays - Votos: 4
27028 - MENINO DO SITE - Categoria: Gays - Votos: 5
60319 - VOLUME E PEGADA - Categoria: Gays - Votos: 8
64005 - O GarotoHomem Galego e dotadaço - Categoria: Gays - Votos: 7
74583 - Sexo de macho muito jovem - Categoria: Gays - Votos: 9
76041 - A primeira vez e o pau era descomunal O Pai - Categoria: Gays - Votos: 13
76049 - MUITO TESÃO COM UM PAU GRANDE - Categoria: Gays - Votos: 8
76129 - O Filho - Categoria: Gays - Votos: 4
76598 - CHUVA DE VERÃO E SEXO DE MONTÃO - Categoria: Gays - Votos: 7
76885 - QUEM AMA O FEIO... - Categoria: Gays - Votos: 10
77325 - O Amigo motoqueiro do passado e do presente - Categoria: Gays - Votos: 2
79636 - Joaquim pauzudo, insaciável e cheio de tesão. - Categoria: Gays - Votos: 10
80843 - RAPAZ DA PICA ROMBUDA - Categoria: Gays - Votos: 7
83979 - VOLUME E PEGADA - Categoria: Gays - Votos: 6
88111 - O BOY CAMAREIRO GOSTOSO DO HOTEL - Categoria: Gays - Votos: 4

Ficha do conto

Foto Perfil coroaaventura
coroa.simpatico.aventura

Nome do conto:
Fazendeiro vaqueiro safados e chefe de peões.

Codigo do conto:
27555

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
31/03/2013

Quant.de Votos:
6

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


henta quadrinhoporno pedreiro sortudocontos casada encoxada no chou perto do maridowww.novinhas e negao do pau grande contosminha mãe irmã tia conto eróticoContos eroticos submissao e inversaoscat a força contoconto erotico viado fogosomeu cunhado cheira minha calcinhacontos meu pai pintudocontos eroticos esfregamos nossas bucetascontos de sexo com a minha avoconto erotico seduzindoxvideos contos fui enrabadoincesto pai e filha crianva com fotos vontos eroticosConto erotico de evangélicacontos eróticos de Carrosselfudida por garoto pausudo inimigo do meu filho. conto eroticocontoeroticoputavariedades de conto quadrinho nacional corno manso pornôcotos eroticos estruprei o cu da amiguinha da minha filhaporno incesto. Me chantagearo tomei no cú por usar minha calcinha curtaconto erotico no metroa veterinaria. contos heroticosContos eróticos expiando pauzoes na praia de nudismoporno conto mamae senhora putafotos de pau de 30cm arrombando bucetas e enchendo de porra so casadinhasconto erotico brincadeira pique escondeconto erotico di novinha casadacomendo a bucetinha da lucinha e o cuzinho da ritinha contos eroticoszoofilia quadrinho esposa com velinho animalconto erotico deixa eu vercontos heroticp minha levava os homen para lhe fuderconto erotico gay no cinema do shoppingconto gay -o gordinho rabudo novinhocontos eróticos a aposta da esposaContos eroticos com fotos de podolatria chupando pes na academiaDepois que eu fui embora da praia com a minha sobrinha eu levei ela pra um hotel eu tirei a virgindade da buceta dela e a virgindade do cu dela fiz ela virar mulher conto eroticocontos eroticos travesti como me transformei numa meninaconto erotico minha mae ten abuceta muito grandeConto erotico recem viuvas com novinhosnifeta de chotinhoquadrinhos eroricos A gerente eabudahentai+oh+famíliamãe puta, contoconto erotico velho de hiluxcontos intimos de uma menininha pindacontod eroticos pai mamae nim cumeumae ajuda o filho a bater uma punheta em contos eroticoscontos eroticos Ono na casa de coroa anootecontoeroticodouglas سكس قصص لولوpornô gay olhando o meu primo contosperdi as preguinhas do cu quando era pequenaconto erotico empregoconto minha tia minha safadapau grande conto eroticofilme porno mulher com o capeta no corpo virando o olho de tanto se masturbaconto erotico/ganhei uma chupeta da vizinha espanholacomi o cu dacostureira casadaContofamiliapornoporno anal. giratirio rromboConto erotico cavalo pequenocontos eroticos de negona bundudaConto erotico pai chega bebbado bbate na mae e nos fodeContos eroticos homossexuais: andando de cavalo com o bundudovideos caseiro verdadeiro amante pauzudao dotado falo que so iria esfregar mas coloca no cu da mulher que grita de dorcontos eroticos estupro vovo e netocontos eroticos deacobri que meu primo gosta de rolaconto erotico gay jeferson o menino gatinhocontoerotico so.no.bumbum tiadeu na minha frente contomeu irmão me viciou em chupar pau conto gayvídeo de pornô Carla deitado na cama meu coração no c* delacanto eróticos eu quero fude com outrovideo porno do casal vodikcontos eroticos.com/ engravidando a professora gostosa.brconto erotico reuniaovideos gerente de super mercado pauzudo rasga o cu do funcionarioconto erotico gay amigo da esposaconto erotico comi a buceta da professoracontos eroticos incesto maravilhosocontos eroticos viadinho gostoso