Juliana perdendo o cabaço

Click to this video!


Toda donzela tem um pai que é uma fera.
Juliana tinha um pai que era bebum. E por ser bebum era também doente, exigindo constantes cuidados.
Juliana era minha vizinha e a gente conversava pelos muros dos fundos. Descobri que ela tinha dezenove anos e nunca tinha namorado firme. Convidava-a para sair e ela me explicava porque nunca tinha namorado e nem podia sair.
- Tenho de cuidar do meu pai - ela dizia. - O único tempo que me sobra é quando vou para a escola e minha irmã cuida dele.
E a gente estava lá, conversando por cima do muro, quando o pai dela chamava. E ela tinha de correr para ver o que ele queria.
- Quer dizer que não tem mesmo jeito da gente sair? - eu insistia.
- Eu sinto muito - ela dizia. - Bem que eu gostaria, mas...
Então um dia pulei o muro da sua casa. Foi num dia em que fizeram uma festinha para a sua irmã caçula e Juliana estava muito bonita, com um vestido longo de alças. Fui na festa por alguns minutos e fiquei olhando para Juliana, ou melhor, fiquei olhando para os peitos de Juliana. Não eram grandões mas sim bem torneados, firmes, sobressaindo-se por debaixo do vestido.
- Quando acabar a festa eu vou estar lá no quintal - eu disse.
E lá pelas onze e tantas vi que o movimento na casa cessava, que as luzes se apagavam e que Juliana saía para o quintal.
Pulei o muro. Nossa vontade um do outro era tão grande que logo caímos nos beijos e eu ataquei seus peitos, baixando a alça do seu vestido...
- JULIANA !!! - berrou uma voz cavernosa de lá de dentro da casa. Era seu pai, querendo ir ao banheiro.
Quase uma semana depois, de noitinha, pulei novamente o muro e encontrei-me com Juliana na lavanderia da sua casa. Nos beijamos, abraçamos, pedi a ela que saísse comigo, ergui sua blusa. Estava de sutiã mas fui puxando-o para baixo, descobrindo seus peitos.
- JULIANA !!!
Cheguei a pensar em desistir de Juliana. Não era possível que seu pai tinha de estar sempre a estragar nossos momentos.
Mas não desisti. Combinamos que ela é quem pularia o muro num dia qualquer, quando ele estivesse dormindo, coisa que o homem sempre fazia, na parte da tarde, hora em que eu estava em casa e que, para ajudar, também não havia mais ninguém na casa de Juliana.
Esperei que ela aparecesse e logo a vi, aproximando-se do muro. Coloquei uma escada. Ela subiu e, depois que mudei a escada, desceu do meu lado.
Carreguei-a para a minha sala e começamos a nos beijar.
- Tire a blusa - pedi. - Deixa eu ver seus peitos.
- Tá bom! - ela falou. - Mas só a blusa. Não posso ficar nua aqui, meu pai pode chamar, pode chegar alguém da sua família.
- Pare de falar e tire a blusa - quase gritei. - Mas por que você vem sempre se sutiã? - perguntei, quando ela começou a erguer a blusa por sobre a cabeça.
Eu falava e já ia levando as mãos, pegando...
- JULIANA !!!
A coitada da menina teve de sair correndo, vestindo a camiseta às pressas, segurando o sutiã na mão. Pulou o muro, sem escada sem nada, jogou o sutiã no tanque da lavanderia e foi ver o que o pai queria,
- Assim não dá! - eu disse a ela, no outro dia, por cima do muro.
E ela quase chorou, dizendo que queria ficar comigo mas que precisava cuidar do pai. Falei então que se ela quisesse teria dado um jeito.
- Até parece que ele adivinha - falou. - Sempre me chama na hora que estou com você.
- Mas de que adianta você estar comigo? A gente não pode nem trocar uns beijos.
- Eu sei - ela disse. Minha vontade era ficar bastante tempo com você... eu queria... eu queria transar com você.
- Verdade? - perguntei, pois não pensava que poderíamos chegar a esse ponto.
- Verdade! - ela disse. - Eu nunca transei.
Foi então que fiquei alucinado, tentando achar um jeito de tirar Juliana daquela casa ou então...
- Dá esse remédio para ele - eu disse, alguns dias depois.
- Mas não é perigoso?
- Claro que não! É só um calmante. Vai fazer ele dormir feito uma pedra e, enquanto isso...
Depois que Juliana deu o sinal, pulei o muro e fui ter com ela na sua casa, no seu quartinho que ficava nos fundos e estava com o colchão no chão, pois sua cama havia quebrado.
Fui logo erguendo sua camiseta, metendo as mãos e a boca em seus seios.
- JULIANA !!! - gritou a voz cavernosa.
Juliana assustou-se e já ia se levantando. Segurei-a.
- Calma! - disse. Espera só mais um pouco.
- J-U-L-I-A-N-A - murmurou uma voz pastosa.
- Ele está passando mal - falou Juliana, mais uma vez querendo se levantar.
- Não está não! - eu disse. Só vai é dormir feito uma pedra.
- J...U...L...I... A...N...A ! ! !
A voz cavernosa mal era ouvida.
Juliana me abraçava forte, cheia de ansiedade.
Fomos tirando a roupa. Primeiro ela, sua calça, sua calcinha, a camiseta, o sutiã. Depois eu.
- Eu nem acredito - ela disse.
- Não acredita no quê? - perguntei.
- Eu vou transar.
- Vai! - falei. Vai transar bem gostoso.
- Se você soubesse a vontade que tenho. Ela disse, ajeitando o seu corpo na cama, abrindo as pernas.
- Eu sei. Claro que sei. Mas eu vou matar sua vontade agora.
- J.....U....L...
- Deixa ele gritar à vontade - ela falou, puxando-me para cima, pegando meu pau e colocando em sua xoxota. Agora não quero nem saber que tenho pai.
O homem ainda tentou gritar mais algumas vezes, mas os gritos de Juliana não deixavam ouvir nada.
Eu ia invadindo sua vagina, rasgando sua carne e ela ia ficando cada vez mais louca, alucinada, querendo mais fundo, mais fundo. Gritava. Mexia, pedia para eu fazer gostoso, para comer gostoso.
A xoxota de Juliana era um vulcão expelindo lava e meu pau era a tocha que fazia o vulcão acender mais ainda.
Juliana perdeu a virgindade. Adormeceu ao meu lado depois de tanto prazer. Quando acordou, estava assustada e foi correndo ver o pai, temendo que ele houvesse morrido.
Mas o homem roncava feito um porco, sob o efeito do calmante.
- Você tem mais calmante para a gente usar amanhã? - perguntou ela, enquanto vestia sua roupa e a minha e, depois, enquanto olhava a vizinhança para eu poder pular o muro.
Foto 1 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 2 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 3 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 4 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


16827 - Talita, ainda era virgem...? - Categoria: Heterosexual - Votos: 3
16828 - Comi a esposa do meu melhor amigo! - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16837 - COMI MINHA MELHOR AMIGA - Categoria: Fantasias - Votos: 0
16890 - Uma garota de lindas pernas - Categoria: Heterosexual - Votos: 0
16942 - O encontro - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
16944 - Arrombei minha Cunhada - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16960 - Minha fantasia - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16961 - A Garota do Prédio - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16962 - Professor e Aluna ! - Categoria: Fetiches - Votos: 0
16964 - Comendo a cunhadinha gostosa - Categoria: Fantasias - Votos: 0

Ficha do conto

Foto Perfil quemario
quemario

Nome do conto:
Juliana perdendo o cabaço

Codigo do conto:
16809

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
17/04/2012

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
4


Online porn video at mobile phone


www.contos eroticos netinha da cu pro avo pauzodo escondidotransas em quadrinhosContos eu nao sabia bate punhetaconto erótico coroa dano p mlkbucetaclitoriograndeConto erotico pica de 28 na molequinhascomix porno madre e hijo teniendo sexo 2contossexo menininhas na chuvacomtos erotico era casada mas sou separada sou madura so do o pros novinhocontos.irmã bebadaRelatos de gang bang com esposa bunduda de corno mansoconto erotico gay brigandocontos gay apartamentomenina. motara.abucetaContos eroticos coroa rabuda casadabuceta inchada e ardida macho deixou para o cornoContos de mulheres vc arrombo meu cu com esse pau grossoquadrinho porno branca de neveconto erotico fui assaltado usando roupas de putinhaconto erotico carahoksdosafadoMeu pai encinou meu namorado a fuder minha buceta conto erotico parte finalconto porno gay sujeicontos erótico com fotos sou casada mas adoro dar pra molequesxvidio mais encanador normalconto erotico dp mesa sinucaporno em quadrinho milfvídeos sexo homem fode gay e bate bulheta nele levantando gay nos braçosabsorvente porna cu invocante 3 parte 2sexo em quadrinhoscomo fazer minete sem chupar corrimentocomeu o cuzinho da novinha e fez ela cagar um kilo de bostacontos dou cu desde novinhonovinha retribuído a encaixada no buzugozando na minha sograconto erotico dei carona para a coroacontos erotico coroacasado comendo onovinhonetinha safadinha no colo do vovô contos eróticos de incestocontos eroticos comendo meninas debutantesContos eroticos.dervlinvirei mulher no carnaval contocontis eroticos vi meu sobrinho comendo sua irmaConto abusaram minha irmafodi amiga da minha mae vai mete vou gozar cotoscontos eroticos Ono na casa de coroa anootepraia de nudismo contosfricanas porno mulhe aguenta 30centimetro de rolatop contos eroticos hetero pag 18contos eroticos velhos picarudosporno rijoeroticotransando com cunhada mais sobrinhaver incesto hintai que tesao qadradinhosogra dizendo que nao sabe como a filha aguenta esse pirocaocontos gay meu cunhado novinho gayCarnaval conto eróticovidios eroticos de tias sendo sedusidas e fudidasconto erótico traiçãocontos eroticos de esposa iniciando o marido como putinhaconto eróticos c novinhas d papainovinho filho de macumbeiro batendo punhetabieljr cornobelas picas de homens tipo de cavaloquadrinhos hentai cartooncontos comeram cu da esposa no escuro na barraca marido dormmindo com fotospropria porra dedo cu conto esposacontos eroticos comendo o catarro delequadrinho.porno gayporno koreanas lesbicasquadrinho erotico a minha vizinha branquelacontos saunas velhos chubbys gayscontos eroticos minha sogrinha safadaminha cunhadinha quadrinho pornoconto erotico casada fodendo gostoso com um entregador de gasquadrinho porno simpsons